O processo de alfabetização exige diferentes operações cognitivas e linguísticas da criança. Assim, o uso de apenas um método por educadores se mostra insuficiente. “Para que todos os componentes dessa aprendizagem sejam considerados, a solução tem sido usar simultaneamente, propostas de diversos métodos”, aponta a professora emérita da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Magda Soares. Seu livro, “Alfabetização: A questão dos métodos”, foi o vencedor do 59º Prêmio Jabuti na categoria não-ficção. Confira, a seguir, a entrevista completa.

O que significa afirmar que são necessários “diversos métodos para alfabetizar”?

Magda Soares: A aprendizagem inicial da língua escrita é processo complexo, já que se trata da compreensão e apropriação de um sistema de representação dos sons da língua por grafismos – letras. Isso exige da criança várias e diferentes operações cognitivas e linguísticas. Métodos de alfabetização, em geral, privilegiam um ou alguns dos componentes cognitivos e linguísticos dessa aprendizagem, ignorando os demais. Assim, para que todos os componentes do aprendizado sejam considerados, a solução tem sido usar no ensino, simultaneamente, propostas de diversos métodos.

Quais habilidades são exigidas da criança no processo de alfabetização?

Magda Soares: Em primeiro lugar, a criança precisa compreender que a escrita representa os sons da fala, e não aquilo de que se fala, o que exige dela uma abstração. Para escrever, por exemplo, ‘boneca’, ela tem de focalizar os sons dessa palavra e abstrair o objeto que ela designa. Este é o primeiro e indispensável passo para a alfabetização. Um passo que a humanidade levou milhares de anos para dar, até criar o sistema alfabético de escrita. Para “recriar” essa possibilidade de tornar a fala visível, é necessário desenvolver na criança a consciência fonológica, isto é, as habilidades de prestar atenção aos sons das palavras; de segmentá-las em sílabas; de perceber, nas sílabas, os fonemas, que são os sons abstratos, e não pronunciáveis isoladamente, que a escrita registra. Para esse registro, a criança tem de conhecer e diferenciar as letras e aprender o som que cada uma representa. Assim, vai tornando-se capaz de escrever e ler palavras, depois pequenas frases e pequenos textos. Após isso, já se trata mais de letramento que de alfabetização: desenvolver habilidades de ler e interpretar e produzir sequência de frases de diferentes gêneros.

O que é necessário para alfabetizar?

Magda Soares: O essencial é o conhecimento, que quem alfabetiza precisa ter, do processo cognitivo que a aprendizagem do objeto linguístico – língua escrita -, demanda da criança. Ou seja, é preciso ter conhecimentos de psicologia, particularmente psicogenética, psicologia cognitiva e psicologia do desenvolvimento, e conhecimento da língua escrita em seus aspectos fonológicos, fonêmicos, semânticos e sintáticos. E é preciso ter habilidades de transpor esses conhecimentos para ações didáticas e pedagógicas. Em síntese, o que é necessário para alfabetizar é uma formação adequada de alfabetizadores, seguida de acompanhamento para seu desenvolvimento profissional, no exercício da docência. É o que tem faltado em nosso país.

O que atrapalha o processo de alfabetização?

Magda Soares: Profissionais sem formação ou com formação insuficiente sobre o processo de alfabetização dificultam a aprendizagem da língua escrita pela criança, por não saberem orientar adequadamente o processo. Além disso, dada a complexidade do processo e o ritmo diferente em que ele se desenvolve nas crianças, turmas com número excessivo de alunos prejudicam a alfabetização. Isso dificulta acompanhamentos individuais. Acrescente, ainda, que escolas sem biblioteca e sem material de apoio à alfabetização como livros de literatura infantil negam ao alfabetizador recursos que enriquecem ou facilitam a alfabetização.

A alfabetização começa na escola?

Magda Soares: A alfabetização é um processo contínuo que começa antes mesmo de os menores entrarem para a escola. Em sociedades grafocêntricas, isto é, centradas na escrita, a criança, desde muito pequena, convive com a cultura do escrito, vê pessoas lendo e escrevendo, vê livros, jornais, revistas, outdoors, cartazes ao seu redor, e manifesta curiosidade sobre “o que está escrito aqui”, “que letra é esta?” etc. Pode-se dizer que é uma pretensão da escola achar que é ela que inaugura a alfabetização. O que cabe à escola é dar continuidade a um processo de alfabetização informal, já em desenvolvimento.

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Insetário virtual permite estudar animais sem interferir na natureza

Atividade com fotos pode ser realizada de forma não presencial e divulgada no Instagram

Música ajuda a contextualizar aprendizagem de matemática na educação básica

Educador Fernando Barnabé indica atividades para explicar conteúdos como divisores, frações e funções trigonométricas

Redes de ensino com destaque investem em formação continuada e infraestrutura, segundo levantamento

Estudo “Educação que faz a diferença” mapeou e classificou boas práticas no ensino fundamental

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.