Sancionada em 2012 pela presidenta Dilma Roussef, a Lei nº 12.764 equiparou a pessoa com Transtorno do Espectro Autista (TEA) ao deficiente e estabeleceu seu direito às políticas públicas de inclusão educacional. Desde então, a criança autista tem acesso garantido às escolas regulares e pode solicitar um tutor em sala de aula quando necessário.

Apesar dos avanços, contudo, a inclusão ainda é um desafio para pais, professores e gestores, seja devido ao pouco conhecimento sobre o tema ou pelo fato dos autistas possuírem dificuldades e aptidões diferentes entre si. “O TEA acomete crianças até os três anos de idade e é caracterizado pela dificuldade em se comunicar de forma funcional e criativa, tendência a comportamento repetitivo e alterações sensoriais”, descreve a doutora em Psicologia Experimental e co-fundadora do Grupo Gradual, Leila Bagaiolo. “Falamos em espectro autista, porque os sintomas podem ir do mais leve ao mais grave”, complementa.

Ensino prático
Incluir o autista na escola não significa adequá-lo a métodos existentes, mas aprimorar suas habilidades individuais. Muitos possuem facilidade em aprender de forma visual e podem ter interesses por assuntos específicos, por exemplo. “O Nicolas não consegue passar pelas fórmulas nas matérias de exatas, e mesmo tendo inglês fluente e com pronuncia invejável, tem dificuldade em fazer provas escritas”, conta a autora do blog “Meu Filho Era Autista”, Anita Brito.

Nicolas, 16 anos, e sua professora Leila, doutora em Psicologia Experimental
“Tudo é adaptado para as suas capacidades. Ao invés de fazer fórmulas em física, química ou biologia, os professores lhe dão experiências práticas e ele adora”, destaca.
Para Leila, a escola não pode ser a única responsável pela inclusão do aluno autista, devendo haver uma parceria entre gestores e pais.  Caberia a escola capacitar professores e investir em tecnologias e materiais adaptados que facilitem na aprendizagem.
Aos pais, o dever é o de orientar professores, ajudar no ensino individualizado e oferecer repertórios não adquiridos no ambiente escolar. Sessões de terapia comportamental ajudam o jovem autista a melhorar o contato visual, a atenção compartilhada, a imitação, o segmento de instruções, a comunicação e o brincar simbolicamente. “Infelizmente, o acompanhamento da criança autista tem impacto no orçamento familiar. Tanto que uma das tendências é capacitar os pais para eles agirem como tutores”, sugere a psicóloga.
Novos caminhos
Quanto mais cedo for realizado o diagnóstico e mais intensivo for o tratamento, há maiores chances da criança autista se desenvolver e se tornar um adulto independente. “Um dos motivos é que o cérebro é bastante plástico até os três anos, e possui conexões ainda em desenvolvimento”, justifica a profissional.
Nicolas, hoje aos 16 anos, aguarda a conclusão do ensino médio para se especializar em fotografia – talento que já possui. “Todos são capazes de fazer algo, de alguma forma”, pontua Anita.

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Redes de ensino com destaque investem em formação continuada e infraestrutura, segundo levantamento

Estudo “Educação que faz a diferença” mapeou e classificou boas práticas no ensino fundamental

Educação na pandemia: qual o melhor momento para a volta às aulas?

Unesco, CNTE, Campanha Nacional e Sociedade Brasileira de Infectologia analisam desafios atuais

Criação de carpoteca física ou virtual facilita aprendizagem sobre plantas

Coleção científica de frutos ajuda a explicar conteúdos de botânica como fisiologia e morfologia vegetal

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.