BM Comunicação

O mundo vive atualmente a maior onda de deslocamento de pessoas desde a Segunda Guerra Mundial. De acordo com a Agência da ONU para Refugiados (Acnur), em 2017, 25 milhões de pessoas se viram forçadas a deixarem seus países, tornando-se refugiadas.

Esse é o caso de Jeanine Ntumba Mbuyangandu, de 33 anos, que deixou o Congo de maneira clandestina depois de sofrer ameaças por conta de sua atuação social. Já a venezuelana Xioleydis Gonzalez, de 35 anos, viu-se obrigada a imigrar diante do agravamento da situação econômica de seu país. Ela faz parte do contingente de cerca de 30 mil compatriotas que chegaram ao Brasil nos últimos três anos, de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Embora com históricos diferentes, as duas enfrentaram desafios semelhantes ao chegar em São Paulo. No vídeo, elas falam sobre a dificuldade para arrumar um lugar para ficar, a luta para encontrar emprego e o sonho de ter uma vida melhor.

Deixe um comentário

Talvez Você Também Goste

Aids: conheça os principais marcos da história da doença

Culpabilizar indivíduos pela obesidade é injusto, avalia especialista da Unicamp

“Eu não posso me dar ao luxo de ficar doente”, conta motorista de aplicativo

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.