A partir de uma inquietação pessoal, a tradutora e intérprete de libras Gyanny Vilanova criou o projeto Libras na Quebrada para democratizar a comunicação de pessoas surdas.

Com aulas direcionadas a ouvintes, a iniciativa tem o objetivo de facilitar a integração desse público com os surdos nos mais variados espaços sociais – como escola, trabalho e ambientes de lazer –, sem que a comunicação seja uma barreira.

As oficinas acontecem na zona norte de São Paulo (SP) e são direcionadas para pessoas a partir de 15 anos. Nas aulas, ministradas em grupo por Vilanova e professores surdos, são realizadas dinâmicas e brincadeiras para estimular a interação.

“O principal do projeto para mim foi poder descobrir um mundo que eu nem imaginava que existia”, diz a aluna Nilda Siqueira, 73 anos.

libras-quebrada
Alunos do “Libras na Quebrada” (crédito: Atrás da Moita Filmes)

De acordo com a idealizadora do projeto, o Libras na Quebrada vai além de tornar os alunos fluentes na língua, o que pode levar entre cinco e seis anos.

“Esse desenvolvimento é social. Falta uma parte da sociedade se interessar um pouco mais, entender o mundo do surdo e estar com surdos nos espaços em que eles estão. Aos pouquinhos estamos caminhando para isso”, afirma Vilanova.

Crédito da imagem: Atrás da Moite Filmes

Atualizado em 13/03/2024, às 15h39.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Como identificar e prevenir a tuberculose?

Atividades ao ar live resgatam a interação social afetada pelo uso excessivo de telas

Conheça mitos e verdades sobre a dengue

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.