Quando o assunto é envelhecimento da população, existe uma invisibilidade das pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transgêneras no Brasil. Segundo o coordenador do Ambulatório de Saúde da Pessoa Idosa do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP), o geriatra Milton Crenitte, ocorre um duplo preconceito em relação a essa parcela da população: primeiro, por sua faixa etária e também por sua orientação sexual e identidade de gênero.

Em entrevista, o geriatra aponta que políticas públicas devem ser pensadas para atender essa população de forma interseccional, abrangendo diversos aspectos. “É muito diferente uma experiência de um homem idoso, branco e gay morando no centro de São Paulo se comparada a de uma mulher, negra e trans vivendo na periferia da cidade”, exemplifica.

Crenitte estuda sexualidade e envelhecimento LGBTI+ e é voluntário da ONG Eternamente Sou, voltada a esse público idoso. Em sua pesquisa de doutorado, em andamento, o médico analisou sete mil questionários sobre envelhecimento e acesso à saúde, distribuídos em todos os estados brasileiros. Os dados revelam que ter mais de 50 anos e pertencer ao grupo LGBTI+ no país diminui a chance de um bom atendimento, problema agravado pela falta de uma rede de apoio.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Carro da poesia: grupo leva literatura periférica para as ruas de São Paulo

Conheça alguns direitos dos refugiados no Brasil

Projeto promove saúde humanizada por meio da palhaçaria

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.