Confira o vídeo com Libras e audiodescrição:

Quando o assunto é envelhecimento da população, existe uma invisibilidade das pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transgêneras no Brasil. Segundo o coordenador do Ambulatório de Saúde da Pessoa Idosa do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP), o geriatra Milton Crenitte, ocorre um duplo preconceito em relação a essa parcela da população: primeiro, por sua faixa etária e também por sua orientação sexual e identidade de gênero.

Em entrevista, o geriatra aponta que políticas públicas devem ser pensadas para atender essa população de forma interseccional, abrangendo diversos aspectos. “É muito diferente uma experiência de um homem idoso, branco e gay morando no centro de São Paulo se comparada a de uma mulher, negra e trans vivendo na periferia da cidade”, exemplifica.

Crenitte estuda sexualidade e envelhecimento LGBTI+ e é voluntário da ONG Eternamente Sou, voltada a esse público idoso. Em sua pesquisa de doutorado, em andamento, o médico analisou sete mil questionários sobre envelhecimento e acesso à saúde, distribuídos em todos os estados brasileiros. Os dados revelam que ter mais de 50 anos e pertencer ao grupo LGBTI+ no país diminui a chance de um bom atendimento, problema agravado pela falta de uma rede de apoio.

Confira o vídeo com libras e audiodescrição:

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Promover projeto de vida para ex-presos é um meio para recuperar cidadania

Três mudanças sustentáveis para adotar no dia a dia

Mulheres periféricas formam rede de apoio para resistir à desigualdade

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.