Diversos municípios brasileiros adotaram leis e normas de incentivo aos telhados verdes desde 1999. As diferentes legislações abordam a iniciativa como compensação ambiental em construções; oferecem incentivos fiscais para quem a adota; obrigam sua utilização em prédios públicos ou garantem certificações para as construções que aderem à iniciativa. 

Mas, afinal, o que são os telhados verdes? “É uma vegetação no topo de casas e prédios cujo solo será separado por uma estrutura.  Esta pode ser alvenaria, concreto, metal ou outra ”, destaca o diretor do Broméliario do Jardim Botânico do Rio de Janeiro (RJ), Bruno Rezende Silva “Bromélio”.

A implantação pode ocorrer em edificações já construídas ou ainda projetadas. “Deve-se considerar se a estrutura física suporta o peso do telhado verde, que varia conforme o seu uso. Áreas de recreação com vegetação robusta exigem mais camada de solo para árvores adultas e raízes de plantas”, exemplifica a docente do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Sylvana Melo dos Santos. “Por outro lado, telhados leves podem receber gramíneas, que necessitam de menos terra”, contrapõe.  

Ainda é preciso impermeabilizar a laje contra infiltrações, nivelar os suportes e investir em camadas drenantes. “É importante pensar no local de armazenamento da água escoada dos telhados e nos dutos que irão conduzi-la”, completa Bromélio.

Bem-estar térmico

Segundo a paisagista especialista em preservação ambiental de cidades, Cecilia Polacow Herzog, estruturas semelhantes a telhados verdes já eram vistas na antiguidade. 

“O modelo passou a se popularizar a partir da década de 80 em cidades como Berlim (Alemanha), na qual a medida foi aplicada em prédios públicos”, relata. 

Tanto o usuário quanto a cidade se beneficiam de um telhado verde em atividade. Nas residências, sua vegetação barra o calor e deixa o interior fresco. 

Telhado verde em ponto de ônibus do Vidigal. Crédito: Guto Graciano, acervo pessoal.

“Isso a torna uma boa opção para países de clima tropical, como o Brasil”, sugere Herzog, que é docente na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).

Também, o oposto é visto durante o clima frio, quando o teto verde impede que o calor do interior debande para fora. “Conforto térmico que também resulta em economia de energia”, pontua Bromélio.

Tecnologia ecológica

Já no âmbito macro, o telhado verde faz frente às ilhas de calor na cidade, provocadas pelo reflexo do sol no asfalto, além de prevenir enchentes.

“Uma vez que as plantas irão absorver a água que anteriormente correria para os esgotos. Pode ser um espaço para plantar e recuperar a mata nativa da região. Ainda, aumentar a polinização ao atrair pássaros e abelhas; pode garantir segurança alimentar e bem-estar psíquico”, lista ele.

A Organização Mundial de Saúde (OMS), por exemplo, preconiza 12 m² de área verde por habitante na cidade. 

Como desvantagem, os custos de instalação costumam ser mencionados em artigos acadêmicos sobre o assunto. 

“Pode ser verdade em alguns casos, mas penso que a economia com manutenção do telhado e energia torna o modelo financeiramente melhor em longo prazo”, opina Bromélio. 

Herzog concorda: “é comum casas com telhas convencionais terem goteiras”, aponta. “Quando plantadas espécies nativas da região, que são adaptadas ao clima local, nem irrigação é necessário”, ressalta.  

Comunidade pioneira

Quem visita a comunidade do Vidigal, no Rio de Janeiro (RJ), pode conferir o primeiro ponto de transporte coletivo com telhado verde do município. A iniciativa é do arquiteto Guto Graciano em parceria com a chef de culinária orgânica, Graça dos Prazeres, e com apoio da associação de moradores.

“Ele foi instalado em 2014 e recebeu espécies medicinais orgânicas, plantadas por alunos da rede pública do local”, relembra Graciano.

O projeto foi declarado patrimônio cultural urbano de natureza imaterial da cidade pela Lei 6.555/2019. Além disso, serviu como a semente para o projeto de lei (PL) nº 1162/2019. Este dispõe a construção de telhados verdes em novas edificações e reformas de coberturas de habitações populares no município.

Paisagistas, arquitetos urbanistas, professores universitários, advogados, chefs de culinária, agrônomos e outros profissionais se uniram para viabilizar a proposta. “Se em larga escala nas favelas, podem gerar renda, complemento alimentar e subsistência aos moradores”, pontua Graciano.  

Veja mais: 

Jardins de chuva podem ajudar a lidar com enchentes nas cidades

Água da chuva pode ser captada em residências e usada para limpeza e rega de jardins e hortas  

Concentração de árvores nas cidades está relacionada à boa qualidade do ar

E-book ensina passos para criar uma horta na cidade

 

Talvez Você Também Goste

13 dúvidas sobre os direitos do trabalhador que pediu demissão

Advogados esclarecem mitos e verdades desse modelo de rescisão contratual

Perfil na internet busca combater etarismo ao publicar roupas usadas por idosos no dia a dia

Estilo Vovô captura looks criados pela terceira idade que também são tendências entre jovens

“Diretas Já” completa 40 anos e deixa legado para a democracia

Historiador lembra como mobilização pelo voto direto influenciou a criação da Constituição de 1988

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.