Eliane Barros

Com referências e reflexões sobre as estruturas que formam e perpetuam a cultura da violência contra as mulheres, a psicóloga e coordenadora da Sempreviva Organização Feminista (SOF) Nalu Faria, apresenta uma websérie com três episódios com cerca de 10 minutos cada. Os vídeos fazem parte da campanha “Sem culpa, nem desculpa! Mulheres livres da violência!”, realizada pela SOF, em parceria com a Marcha Mundial de Mulheres, e que, desde 2017, vem produzindo materiais formativos e organizando espaços de reflexão e formação em diversos estados do país.

No primeiro episódio, “Capitalismo patriarcal e racista”, Nalu caracteriza a estrutura da sociedade em que vivemos e seus impactos na vida das mulheres. À luz de pensadoras como Simone de Beauvoir, Helena Hirata e Danièle Kergoat, a psicóloga explica as relações de poder que contribuem para a naturalização de papeis sociais de gênero: reprodução e cuidados no que tange à vida privada para mulheres, e lugar público e êxito econômico para os homens.

Em “Gênero, sexualidade e família”, segundo episódio da série, Nalu retoma esse conceito de divisão sexual do trabalho para discutir o controle sobre as vidas e sexualidades das mulheres. O que o feminismo faz enquanto teoria e prática, explica a coordenadora da SOF, é justamente questionar essa divisão e hierarquia, ressaltando que elementos ideológicos, simbólicos e culturais de representação do masculino e do feminino foram sendo construídos ao longo da história a fim de controlar e manter as mulheres no espaço privado. Nalu ressalta, nesse processo, o papel da família e demais instituições da sociedade na manutenção da ideia de mulher frágil e passiva e de homem forte e ativo, a qual influenciou a construção heteronormativa da sexualidade centrada no desejo masculino. A psicóloga defende, assim, a necessidade de questionarmos o ideal de amor romântico e suas representações que começam desde a infância, com as histórias de princesas e seus príncipes encantados.

No terceiro e último episódio da websérie, “Dimensão sistêmica da violência”, Nalu explica como o modelo social permite a construção de relações violentas, e relaciona a violência contra as mulheres com as engrenagens que fazem funcionar a sociedade como é hoje.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Notícias

Cartilha orienta sobre violência contra a mulher no trabalho

Publicação do Ministério Público do Trabalho explica assédio moral, sexual e outros crimes

há 6 anos
Notícias

Plataforma reúne dados sobre a violência contra as mulheres no Brasil

Foco são as violências doméstica, sexual e online, feminicídio e intersecção com racismo e LGBTTfobia

há 6 anos
Notícias

Lei Maria da Penha e combate à violência doméstica inspiram ilustrações

Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados premiou artistas que abordaram as temáticas em desenhos

há 6 anos
Notícias

Região da América Latina e Caribe foi a mais perigosa para a imprensa em 2019, segundo a Unesco

De acordo com a entidade, cobrir assuntos locais é mais perigoso que zonas de guerra

há 4 anos

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.