Leonardo Valle

O medo de violência sexual é uma realidade para a mulher que decide viajar sozinha. Para sensibilizar a sociedade sobre esse problema, a ONG feminista Think Olga, em parceria com a empresa Booking, lançou o guia “Mulheres pelo Mundo”. A publicação é gratuita e está disponível online.

“A publicação discute autonomia e mobilidade urbana, dois temas caros para as mulheres. Além disso, visa instrumentalizar seu público com algumas sugestões sobre como viajar sozinha”, explica a fundadora da organização não governamental (ONG), Juliana de Faria.

Dividido em dois capítulos, ele traz dicas para se conectar com pessoas sobre a violência cotidiana nos países da América Latina e como agir ao sofrer algum tipo de problema ou se sentir desconfortável.

O guia está disponível em três idiomas (português, inglês e espanhol) e possui ilustrações de Eva Uviedo. “Lembramos que a violência contra a mulher é mais tolerada no mundo. Ou seja, mesmo que sigam essas dicas e sofra violência, a culpa nunca é da vítima e sempre do agressor”, reforça Faria.

Insegurança

Para o lançamento da publicação, a Booking apresentou os dados de uma pesquisa realizada em março de 2019 com quatro mil pessoas do Brasil, México, Colômbia e Argentina. Foram mil pessoas por país, entre 18 a 60 anos, que já realizaram pelo menos duas viagens internacionais.

Entre os dados, 17% das latino-americanas afirmaram sentir medo e insegurança quando viajam sozinhas. Aproximadamente 16% das mulheres nunca nem pensaram na possibilidade e 38% nunca realizaram uma viagem do tipo.

Em contrapartida, 62% das entrevistadas disseram já ter realizado uma viagem sozinha para outro país. Os motivos foram a liberdade de fazer o que quiser (35%); falta de companhia (22%); oportunidades de autoconhecimento e (18%) e fazer novos amigos (12%).

Argentinas (36%) e colombianas (35%) viajam mais para países da América Latina, enquanto brasileiras (32%) e mexicanas (28%) optaram por destinos fora da região. Na América do Sul, Argentina (62%), Chile (54%) e Uruguai (41%) foram os preferidos das mulheres para viajarem em sua própria companhia.

Veja mais:
Luta de mulheres nordestinas contra o machismo é tema de documentário online
Como identificar relacionamentos abusivos? Cartilha do MP orienta garotas

Crédito da imagem: ilustração Eva Uviedo/reprodução guia “Mulheres pelo Mundo”

Deixe um comentário

Talvez Você Também Goste

Notícias

Como as mulheres podem agir em caso de violência durante a pandemia do coronavírus?

Defensoria Pública do Estado de São Paulo lança guia rápido para acesso online

há 4 meses
Notícias

Dossiê digital reúne informações de especialistas sobre violência sexual

Mulheres, negras e meninas até 13 anos são as principais vítimas do crime

há 9 meses
Notícias

Como identificar relacionamentos abusivos? Cartilha do MP orienta garotas

“Namoro Legal” lembra que jovens são vulneráveis à prática, que pode caminhar para a violência

há 1 ano

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.