Leonardo Valle

Segundo o Greenpeace, o governo brasileiro não atingiu a meta de clima para 2020, em função da redução do desmatamento na Amazônia e no Cerrado, ao contrário do que afirma. A última taxa (2017), contudo, foi de 6.947 km2, ou seja, 77% maior que a meta de, no máximo, 3.925 km2 em 2020.

“Os cálculos que o governo utiliza para anunciar a redução das emissões de CO2 por desmatamento deveriam ser transparentes. Ao incluir na conta as remoções de emissões em terras indígenas e Unidades de Conservação (UCs), o governo levanta uma série de dúvidas. Embora essas terras sejam fundamentais para a proteção das florestas, elas sofrem com invasões, retirada ilegal de madeira, desmatamento e queimadas, o que afeta a capacidade dessas áreas absorverem carbono”, explica a especialista em desmatamento do Greenpeace Brasil Cristiane Mazzetti.

“Já em relação ao uso do Cadastro Ambiental Rural (CAR), ele não é instrumento adequado para medir remoções de gases do efeito estufa”, complementa.

O governo também anunciou uma diminuição de emissões por desmatamento ao mesmo tempo em que propôs medidas entendidas como contrárias, como a redução de áreas protegidas e a Lei 13.465/2017, que incentiva a grilagem de terras. “Propostas que levarão a um aumento do desmatamento e de emissões futuras, colocando em risco, inclusive, o cumprimento brasileiro do Acordo de Paris”, afirmou o Greenpeace em comunicado.

 

Crédito da imagem: Khlongwangchao – iStock

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Notícias

Desmatamento da Amazônia Legal cresce 54% no primeiro mês de 2019

Boletim do Imazon apontou ação em unidades de conservação e terras indígenas

há 3 anos
Notícias

Brasil desmatou metade do cerrado e 20% da floresta amazônica, aponta relatório

Documento da WWF monitorou impactos ambientais no mundo de 1970 até os dias de hoje

há 4 anos

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.