Introdução

 Um grande conjunto de sensações e sentimentos nos une à nossa terra natal. Nossas brincadeiras de criança, a língua que aprendemos com nossos pais e familiares, os sabores, sons, cheiros e paisagens que povoam o imaginário pessoal de cada um de nós. Aquilo que chamamos de “raízes” comumente se revela relacionado com um sentimento de pertencer, que conforta e pacifica, que nos faz permanecer no local e na comunidade onde nascemos e crescemos.

Esta tão singela harmonia, contudo, parece ser frágil quando analisada sob a sua perspectiva coletiva. Grupos de pessoas – reais falanges de viajantes – historicamente deixaram seus locais de nascimento para povoar novas terras, em busca de melhores condições de desenvolvimento pessoal. Em diversas ocasiões, para milhares e milhares de pessoas a terra natal passou a ser uma mera lembrança, substituída por outras paisagens em vista de um futuro possivelmente mais promissor.

Chamado de “movimento migratório” este fenômeno demográfico traz em si duas perspectivas que podem causar conflitos.

De um lado, por parte de quem migra, aflora um sentimento de não pertencer à sociedade de chegada. Tal sentimento interfere significativamente nas relações homem-estado, homem-cultura e homem-comunidade. O imigrante se sente um estranho na terra estrangeira e assim permanece por muitos anos. Por conta da falta de raízes, não consegue se estabelecer completamente e, segregado por sua cultura e costumes, não compreende o cotidiano do local em que se estabelece. Muitas vezes sofre com estas necessárias adaptações, outras vezes burla regras locais em vista das regras que antes seguia.

De outro lado, por parte das comunidades que recebem os movimentos migratórios, aflora a resistência pelas influências culturais, impactos econômicos e alterações de cotidiano,  trazidas pelos imigrantes. Muitas comunidades, buscando a preservação de sua cultura e situação econômico-social, por vezes deixam de acolher os imigrantes, fomentando sua expulsão, repulsão e ódio.

Estas duas faces dos movimentos migratórios são conhecidas de todos nós, quando reverberam nos meios de comunicação notícias de ataques a estrangeiros, histórias de imigrantes que sofreram ou morreram antes de chegar ao seu destino. Frases como “o multiculturalismo fracassou” atribuída aos governantes da Alemanha, França e Reino-Unido, ataques terroristas como o de Andres Breivik na Noruega, as tentativas desesperadas de transpor fronteiras realizadas por cubanos e mexicanos nos EUA, a vida de brasileiros em terras estrangeiras… exemplos da problemática complexa que configura os fluxos migratórios internacionais.

Não bastasse a complexidade das imigrações do mundo ocidental, ainda nos causam espanto as condições de campos de refugiados no Oriente Médio e na África, cujos imigrantes são fugitivos de guerras civis, governos totalitários ou perseguições étnicas.

Se de um lado muitas nações bradam por uma chamada ‘aldeia global’, em que as diferenciações regionais e nacionais dão lugar a um único conjunto de pessoas (os humanos e por isso possuidores de direitos humanos universais), vemos, de outro, que os conflitos decorrentes das diferenças étnicas e culturais entre ‘nacionais’ e ‘imigrantes’ não cessa. As leis não condizem com as ações mundiais.

Não há, porém, como construir alternativas à violência e à discriminação sem conhecer o fenômeno das migrações internacionais. Tomar em análise tais fluxos, suas motivações e reflexos, certamente é contribuir para o debate da tolerância e da pacificação.

Momentos dos fluxos migratórios:
Embora as razões destes movimentos sejam diversificadas, encontram certa possibilidade de generalização a partir da história. Em que pese ser um fenômeno complexo, é possível distinguir fases de imigração por conta do contexto histórico-político-econômico mundial.

Tem-se por uma primeira fase todo o final do processo de colonização tardia da América anglo-saxônica, América Latina, sul da África e parte da Ásia, quando se identificam fluxos de imigrantes europeus em busca de terras e novas possibilidades de sobrevivência em fuga de uma Europa cujo adensamento populacional gerou fome e desespero. Esta fase perdurou pelas duas Grandes Guerras Mundiais, durante as quais populações retiram-se de países europeus por temerem a morte por ataques e atos de guerra ou a perseguição de estados totalitários (a exemplo dos fluxos de perseguidos do nazismo e fascismo).

Esta primeira fase identifica-se, portanto, por um fluxo proveniente da Europa, que durante aquele tempo era um continente de repulsão populacional. Em termos gráficos, poderiam se observar grandes flechas migratórias partindo da Europa para locais mais ‘ao sul’. Foi chamada por esta razão de fase de migração norte-sul.

Mas após a Segunda Guerra Mundial, o mundo mudou. A reconstrução da Europa exigia enorme mão de obra – o que antes era um local de repulsão passou a ser uma área de atração populacional por questões econômicas. Os Estados Unidos por seu turno, grandes vencedores da Guerra e capitaneando o início da Guerra Fria, passaram a ser os grandes dínamos econômicos do mundo, crescendo anualmente e oferecendo oportunidades de emprego para uma grande legião de imigrantes.

Para o território europeu migraram grandes massas provenientes da região do Magreb (Noroeste da África) em direção à França; da Grécia, Turquia e Iugoslávia em direção à Alemanhã; e das Antilhas, Paquistão e Irlanda em direção ao Reino Unido. Nas Américas o fluxo populacional de entrada foi proveniente principalmente dos países da América Latina para os EUA que, também tendo recebido imigrantes no período anterior, possivelmente se tratam dos maiores receptores de imigrantes do mundo.

Esta fase, chamada por contraposição à anterior de fase de migração sul-norte, pode ser caracterizada pela migração de trabalho, decorrente das possibilidades de inserção em mercados em crescimento no mundo todo.

Após os anos 80, com o início do fim da bipolarização mundial (que completaria seu ciclo de débacle nos anos 90 com a queda do muro de Berlim e a derrocada da União Soviética), houve alterações no contexto das migrações internacionais. O surgimento de um mundo multipolar (a chamada nova ordem mundial), o desenvolvimento dos blocos econômicos e também o contínuo crescimento do mercado do petróleo do Oriente Médio (cuja força já vinha se mostrando desde as ações da OPEP nos anos 70), fizeram com que os fluxos de imigrantes continuassem para países da Europa e EUA, mas também passaram a ocorrer fluxos para o interior da Ásia, Oriente Médio e América Latina (incluindo Brasil), por conta de conflitos armados (Guerras Civis e ditaduras, v. g.) nos países originários. Neste cenário surgem os conflitos étnicos-religiosos que levaram a atos de terrorismo, além do surgimento de bolsões de fugitivos de conflitos locais, denominados refugiados.

Complexidades atuais:
Os efeitos das contradições decorrentes das imigrações internacionais transparecem nos jornais diariamente. Como compreender, por exemplo, a situação de refugiados de uma guerra civil na África ou no Oriente Médio se, de outro lado, deixamos de compreender o que chamamos de direitos humanos? Qual o papel da ONU em uma situação extrema de refúgio? Quem são os responsáveis, os que podem auxiliar, qual o papel da comunidade internacional?

Já no velho mundo percebe-se, por um turno, a intenção de promoção de um cotidiano mais plura’l mas, por outro, a manifestação expressa de governos de que tal intenção fracassou. A retomada das ações de extrema direita, a majoração das restrições a manifestações culturais, religiosas e, principalmente, a maior restrição à imigração em todo o continente europeu dão indicações que os problemas dos fluxos de pessoas continuam na ordem do dia.

Pelas Américas a situação não é diferente. Vemos a contínua tentativa de latinoamericanos de transpor as barreiras físicas dos Estados Unidos, que não poucas vezes acabam em tragédias e situações limites. No Brasil podemos observar o recebimento de imigrantes provenientes de estados africanos em guerra ou que permanecem na extrema pobreza.

Neste cenário, necessário questionar: afinal, o sonho da imigração é mesmo um sonho, ou o pesadelo que só ocorre por um grito de desespero de populações que sofrem em seus próprios países?

 

Porque abordar o tema em sala de aula

O Brasil parece ser um país culturalmente plural, ainda que pesem nossas desigualdades econômicas. A miscigenação de nosso povo, a convivência praticamente pacífica das diversas religiões aqui presentes e, também, as diversas culturas existentes em nosso território nos afastam dos extremismos encontrados em outras paragens do mundo.

Todavia, o Brasil é um país que ainda possui um fluxo de migrantes significativo e encontra-se em crescimento. Estas características nos colocam em uma posição dual: (i) parte de nossos habitantes migram para países de atração populacional (a exemplo dos EUA, países da Europa, Japão e Oriente Médio) e (ii) a relevância econômica internacional de nosso país cresce a cada dia. Necessário se faz, portanto, preparar nossos jovens para compreenderem as diversidades culturais do mundo e seus conflitos.

Mas não é só.

Jornais, escritos ou televisivos, nos trazem notícias diárias de conflitos étnico-religiosos e imagens de atitudes extremas mundo afora. Como participar deste diálogo e compreender a relevância das notícias sem entender o seu contexto geopolítico? Trabalhar com os estudantes os reflexos dos fluxos migratórios é também abrir a porta para a compreensão do fenômeno humano no mundo e inseri-los nas complexidades da vida adulta.

Compreender o cenário internacional é, assim, compreender o seu próprio local no mundo. Este fluxo de informações midiáticas pode servir também para o processo de ensino-aprendizagem de diversas habilidades e competências.

Tratando-se de questão multidisciplinar e que comporta uma enormidade de abordagens possíveis, pode-se arriscar dizer que quase todas as habilidades e competências propostas para área de ciências humanas podem ser exercitadas durante o estudo dos fluxos demográficos internacionais. Entre elas, destacam-se as seguintes competências (em negrito) e suas respectivas habilidades (entre parênteses), para as quais formulamos questões temáticas que podem servir para a reflexão do educador:

1. Compreender elementos culturais que constituem identidades (interpretando fontes histórico-geográficas, analisando produções de memórias, associando manifestações culturais, comparando pontos de vista e o patrimônio cultural daí decorrentes). Qual a relevância da cultura/religião islâmica, por exemplo, para a Europa? O que significa dizer que há ‘comunidades’ latinas ou asiáticas em Nova York? Quais os diversos pontos de vista que podem ser identificados ao se analisar as diversas culturas em países receptores de população e quais os seus reflexos? Até que ponto construímos nossa própria identidade ao negarmos a identidade alheia? Ser imigrante significa renunciar à própria cultura?
2. Compreender transformações dos espaços geográficos como produto das relações sócio-economicas e culturais de poder (interpretando gráficos e mapas, compreendendo relações de poder, analisando o papel dos estados frente a problemas de ordem econômico-sociais e comparando organizações políticas). No que as guerras entre nações interferem nos fluxos migratórios? Por que o crescimento econômico significa a potencial majoração da atração de fluxos populacionais? O que significam medidas protetoras que limitam a imigração de pessoas? A imigração seria reflexo direto do direito de ir e vir? O que significa montar uma barreira física para dividir países, como no caso de parte da divisa entre os EUA e o México?
3. Compreender a produção e o papel histórico das instituições sociais, políticas e econômicas, associando-as aos diversos grupos, conflitos e movimentos sociais (identificando grupos sociais em seu tempo e espaço, analisando a justiça como instituição social, analisando movimentos sociais que geram disputas por poder, comparando pontos de vista, avaliando criticamente conflitos). O que significa dizer que o multiculturalismo morreu e por que isso é identificável nos discursos de políticos? Seria a expressão da cultura um direito inalienável do ser humano, ou poderia ele ser limitado pelos estados?
4. Utilizar os conhecimentos históricos para compreender e valorizar os fundamentos da cidadania e da democracia, favorecendo uma atuação consciente do indivíduo na sociedade (identificando o papel dos meios de comunicação na vida social, analisando lutas e conquistas sociais e seus reflexos, analisando a ética das sociedades). Por que a imigração é um movimento e qual a sua dinâmica? Por que razão os movimentos migratórios causam atritos entre cidadãos? Até que ponto a globalização tem facilitado o multiculturalismo? Como os meios de comunicação reproduzem os conflitos étnico-religiosos decorrentes de processos migratórios?

Estas  são somente algumas idéias para o trabalho do educador. Entendemos que a problematização dos fluxos demográficos internacionais seja mais interessante que a mera compilação de dados. Questionar é antes de qualquer coisa compreender a real sentido da informação.

Sugestões de Leitura:

O tema migrações e as informações sobre os grandes fluxos migratórios integram os livros didáticos de Geografia, História e Geopolítica, tanto nos conteúdos relacionados ao estudo da demografia quanto aos conflitos geopolíticos. Para a problematização e uma abordagem crítica e mais aprofundada sugerimos as leituras.
Indicação de Filmes:

Crash – No Limite de Paul Haggis. EUA (2004)
A visão poliédrica acerca das questões étnico-raciais nos EUA compõe uma narrativa em que as personagens se encontram em situações limite. A interessante discussão acerca do medo e do preconceito em uma sociedade multicultural e das conseqüências dos atos de cada indivíduo em uma sociedade composta da diversidade sócio-econômica.
Entre os muros da escola de Laurent Cantet. França (2007)
Em uma escola de Paris, a grande falência do multiculturalismo francês é mostrada em tom documental, embora se trate de uma ficção. A visão do diretor acerca da diferença clara entre a chamada ‘sociedade francesa’ e os filhos de imigrantes que a compõem, mostram o despreparo do sistema educacional em lidar com a diversidade.
Jean Charles de Henrique Goldman. Brasil, Inglaterra(2009)
O filme traça a trajetória de Jean Charles de Menezes, brasileiro que imigrou para a Inglaterra em busca de melhores condições de trabalho. O caso real, que inspirou o filme, ganhou notoriedade vez que Jean Charles fora confundido com um potencial terrorista, no metrô londrino. Em uma abordagem policial equivocada e nervosa, foi morto e provocou a ira da comunidade internacional.
Território Restrito de Wayne Kramer. EUA (2009)
As contradições da política estadunidense de migração são exploradas neste interessante longa-metragem, uma refilmagem do curta metragem feito 13 anos antes, pelo mesmo diretor. A crítica é feita com relação à política de imigração a partir de histórias tão diversas de muçulmanos, mexicanos, australianos, coreanos. Juntos eles estão diante de um mesmo desafio: conseguir o  green card do país.

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Dossiê Vinicius de Moraes

Em 2013 comemora-se o centenário de um dos maiores poetas brasileiros

Dossiê Sexualidade

Dossiê Sexualidade - Orientação sexual na escola

Dossiê Cultura Afro

Dossiê Cultura Afro - O estudo da cultura afro-brasileira no ensino básico

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.