Conteúdos

– Preconceito e discriminação;
– Identidade e alteridade;
– Minorias sociais e opressão;
– Machismo;
– Racismo;
– Xenofobia;
– LGBTQfobia;
– Gordofobia;
– Capacitismo.

Objetivos

– Diferenciar discriminação de preconceito;
– Aprender sobre opressão;
– Conhecer as diferentes formas de discriminação e opressão;
– Entender os conceitos de grupo social, identidade e alteridade.

Proposta de trabalho:

O objetivo desse roteiro é auxiliar nos estudos em casa ou em outro ambiente. Nesse sentido, apresenta um percurso com textos base e algumas propostas de atividades e, no final, há outros textos que podem ajudar a compreender melhor o tema em questão.

Não é necessário fazer todas as etapas ou ler todos os textos, mas as questões norteadoras, bem como as subquestões que advém delas, ajudam na captação do conteúdo inteiro e dos principais conceitos.

Leia os textos propostos, sempre buscando as respostas para cada uma das perguntas. Se aparecerem mais dúvidas ao longo da leitura, aproveite para anotar e aumentar ainda mais sua pesquisa. Após as leituras de cada um dos textos, escreva um parágrafo resumindo seu aprendizado.

1ª Etapa: Identidade, alteridade e minorias sociais

1) Leia os textos e assista aos vídeos indicados. Você pode usar as questões abaixo para guiar seu estudo:

a) Como se define minoria? Por que tem essa denominação?
b) O que significa identidade? Como ela se classifica?
c) Qual a importância da alteridade? Por que ela é importante para garantir o direito à diferença?
d) No que a desigualdade social influencia nos marcadores sociais?

Minorias Sociais – Site Brasil Escola;

Alteridade – Site Brasil Escola;

ENRICONI, Louise. O que são minorias? Site Politize!;

DIANA, Daniela. Identidade Cultural. Site Toda Matéria;

PORFÍRIO, Francisco. Alteridade. Site Brasil Escola;

FRANCISCO, Wagner de Cerqueira e. Diversidade Cultural no Brasil. Site Mundo Educação.

2ª Etapa: Discriminação, preconceito e opressão – qual a diferença entre elas?

Proposta de atividade:

1) Assista aos vídeos e leia os textos abaixo.

2) Nos textos e vídeos, busque pelas informações que seguem:

a) O que são estereótipos?
b) O que é preconceito? Qual a consequência que o preconceito pode ter na prática?
c) O que é discriminação? Toda discriminação é necessariamente ruim?
d) Apesar das diferenças, como elas operam na prática?
e) Qual a principal função da discriminação e do preconceito na sociedade?
f) Qual o papel da intolerância na exclusão social?

Raça e Etnia: O que é Preconceito, Discriminação e Segregação? [1 / 2] – Canal Sociologia com a Gabi;

DIANA, Daniela. Estereótipo. Site Toda Matéria;

PORFÍRIO, Francisco. Preconceito. Site Brasil Escola;

BEZERRA, Juliana. Preconceito, racismo e discriminação. Revista Diferença;

Discriminação. Site Toda Matéria;

CARVALHO, Talita. O que é intolerância? Site Politize!

3) Cheque seus conhecimentos sobre as Etapas 1 e 2: Questões de Vestibular

1) (ENEM – 2017) “Muitos países se caracterizam por terem populações multiétnicas. Com frequência, evoluíram desse modo ao longo dos séculos. Outras sociedades se tornaram multiétnicas mais rapidamente, como resultado de políticas incentivando a migração, ou por conta de legados coloniais e imperiais”

GIDDENS, A. Sociologia.  Porto Alegre: Penso, 2012 (adaptado)

Do ponto de vista do funcionamento das democracias contemporâneas, o modelo de sociedade descrito demanda, simultaneamente,

a) defesa do patriotismo e a rejeição ao hibridismo
b) universalização de direitos e respeito à diversidade
c) segregação do território e estímulo ao autogoverno
d) políticas de compensação e homogeneização do idioma
e) padronização da cultura e repressão aos particularismos

RESPOSTA: B

Fonte: Questões de concursos sobre cultura e diversidade cultural – Aprova Concursos

2) (ENEM 2011)

Texto I

Texto II

Em sentido antropológico, não falamos em Cultura, no singular, mas em culturas, no plural, pois a lei, os valores, as crenças, as práticas, as instituições variam de formação social para formação social. Além disso, uma mesma sociedade, por ser temporal e histórica, passa por transformações culturais amplas.

CHAUÍ, M. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 1995 (fragmento).

A concepção que perpassa a imagem e o texto parte da premissa de que o respeito à diversidade cultural significa:

a) exaltar os elementos de uma cultura
b) proteger as minorias culturais
c) estimular as religiões monoteístas
d) incentivar a divisão de classes
e) promover a aceitação do outro

RESPOSTA: E

Fonte: Questões de concursos sobre cultura e diversidade cultural – Aprova Concursos

3) (Enem 2013) O sociólogo espanhol Manuel Castells sustenta que “a comunicação de valores e a mobilização em torno do sentido são fundamentais. Os movimentos culturais (entendidos como movimentos que têm como objetivo defender ou propor modos próprios de vida e sentido) constroem-se em torno de sistemas de comunicação – essencialmente a internet e os meios de comunicação – porque esta é a principal via que esses movimentos encontram para chegar àquelas pessoas que podem eventualmente partilhar os seus valores, e a partir daqui atuar na consciência da sociedade no seu conjunto”.

(Fonte: Site da Compolítica. Acesso em: 02 de março de 2012).

Em 2011, após uma forte mobilização popular via redes sociais, houve a queda do governo de Hosni Mubarak, no Egito. Esse evento ratifica o argumento de que

a) a internet atribui verdadeiros valores culturais aos seus usuários.
b) a consciência das sociedades foi estabelecida com o advento da internet.
c) a revolução tecnológica tem como principal objetivo a deposição de governantes antidemocráticos.
d) os recursos tecnológicos estão a serviço dos opressores e do fortalecimento de suas práticas políticas.
e) os sistemas de comunicação são mecanismos importantes de adesão e compartilhamento de valores sociais.

RESPOSTA: E

Fonte: Exercícios Resolvidos: Práticas da Cultura – Descomplica

4) (UEMA – 2020) Analise o texto e a charge a seguir para responder à questão.

Na modernidade, a consolidação de grandes identidades coletivas foi uma marca importante, principalmente aquelas originadas pelas condições de existência, como as identidades nacionais ou de classe. Entretanto, nas últimas décadas, definidas como pós-modernidade, as transformações sociais ocorridas em todas as sociedades modificaram os elementos constituintes das identidades. […] As novas identidades se caracterizam por ser fragmentadas, desvinculadas dos modelos tradicionais de identidade que foram substituídas por formas móveis e descentralizadas de identificação.

SILVIO, Afrânio. Sociologia Contemporânea, 1ed. – São Paulo: Moderna, 2013.

Jovens do século XXI

a) interpretação homogênea, presente nas condições de existência dos indivíduos na sociedade globalizada.
b) consolidação do sujeito universal, transformado com o progresso na modernidade.
c) massificação dos comportamentos e das práticas culturais reproduzidas indistintamente nas sociedades.
d) construção social, marcada pela diversidade e pelas mudanças no tempo e no espaço.
e) expressão coletiva do eu/indivíduo na sociedade de consumo controlada pela indústria cultural.

RESPOSTA: D

Fonte: Questões de Sociologia – Antropologia e Diversidade Cultural – Estuda.com

3ª Etapa: Racismo

Proposta de atividade:

1) Assista aos vídeos e leia os textos abaixo.

2) Nos textos e vídeos, busque as informações que seguem:

a) De onde vem a ideia de raça?
b) Por que classificar os seres humanos em raças?
c) Qual a diferença entre raça e etnia?
d) Quais as consequências do racismo estrutural?
e) O que é democracia racial? Ela existe?
f) Quais são os grupos que sofrem racismo no Brasil?
g) Como o racismo se manifesta na escola?

Kabengele Munanga – Raça, racismo e etnia – Canal Sociologia Animada;

O que é racismo estrutural? Desenhando – Canal Quebrando o Tabu;

Democracia Racial – Canal Brasil Escola;

Racismo – Atualidades e Tema de Redação – Curso ENEM Gratuito;

PORFÍRIO, Francisco. Racismo. Site Brasil Escola;

CHAGAS, Inara. Racismo: como essa prática é estruturada no Brasil.

4ª Etapa: Xenofobia

Proposta de atividade:

1) Assista aos vídeos abaixo e leia os textos.

2) Nos textos e vídeos, busque as informações que seguem:

a) O que é a Xenofobia?
b) Como e contra quem ela se manifesta no Brasil?
c) Qual a diferença entre migrante e refugiado? Isso faz diferença na forma como essas pessoas são tratadas em outros países?
d) No Brasil, há diferença de tratamento entre os diferentes imigrantes? Quais são os grupos valorizados e quais são os grupos oprimidos?
e) Para o brasileiro, como é a xenofobia em outros países?
f) Como a xenofobia e o racismo se encontram? Quais aspectos são enfatizados nesse caso?

Xenofobia – Canal Brasil Escola;

Imigração e a questão dos refugiados – Dose de Atualidades – Canal Descomplica;

NEVES, Daniel. Xenofobia. Site Brasil Escola.

3) Cheque seus conhecimentos sobre as Etapas 3 e 4 – Exercício de Reflexão: O que é “branquitude”?

A partir dos textos lidos e dos vídeos assistidos, você poderá fazer uma pesquisa a respeito desse conceito. Algumas questões poderão ajudá-lo em sua reflexão:

a) A branquitude tem efeito sobre o racismo e a xenofobia?
b) De acordo com a ideia de minorias e maiorias, como o conceito de branquitude pode aparecer?
c) Como a ideia de branquitude se reflete no cotidiano de racismo e xenofobia no Brasil? Como essa mesma ideia de brancos se sustenta ou não quando um brasileiro vai para o exterior?

Você pode colocar suas ideias em um artigo de opinião. Abaixo, um tutorial de como escrever um artigo de opinião:

Artigo de Opinião – Canal Brasil Escola.

5ª Etapa: Sexismo, machismo e misoginia

Proposta de atividade:

1) Assista aos vídeos e leia os textos abaixo.

2) Nos textos e vídeos, busque as informações que seguem:

a) O sexismo é uma forma de discriminação?
b) Qual a diferença entre machismo e misoginia?
c) Quais são exemplos práticos dessas diferenças?
d) Quais as consequências dessa opressão para as mulheres?
e) Como a prática do machismo afeta também os homens?
f) O machismo é também estrutural?
g) O que é violência simbólica? O que é naturalização?

Sexismo – Canal Nerdologia;

Desigualdade Social: Desigualdade de Gênero e a Luta por direitos [4/4] – Canal Sociologia com a Gabi;

Pierre Boudieu – A Dominação Masculina – Canal Se Liga Nessa História;

Dossiê: Violência contra as mulheres – Agência Patrícia Galvão;

CARNEIRO, Yanna J. Misoginia: você sabe o que é? – Site Politize!;

PORFÍRIO, Francisco. Desigualdade de Gênero. Site Brasil Escola.

6ª Etapa: LGBTQfobia

1) Assista aos vídeos e leia os textos abaixo.

2) Nos textos e vídeos, busque as informações que seguem:

a) Por que a sigla LGBTQI+ abriga tantas diferenças dentro do mesmo rol de opressões?
b) Qual a diferença entre orientação sexual e identidade de gênero?
c) Quais são as questões que influenciam a opressão aos LGBTQI+?
d) Por que é importante o reconhecimento e aprovação de direitos aos LGBTQI+?
e) Por que o tema gênero e sexualidade é um tabu na sociedade em que vivemos?

LGBT – Qual a sigla certa? – Canal Quebrando o Tabu;

LGBTFobia no Brasil – Atualidades e Tema de Redação do ENEM – Canal Curso ENEM Gratuito;

Sexualidade: Sexo, gênero, orientação sexual e identidade de gênero –  Canal Minuto Psíquico;

CAMPOS, Lorraine Vilela. Orientação Sexual e Identidade de Gênero. Site Mundo Educação;

MORAIS, Pâmela. FIGUEIREDO, Danniel. GARCIA, Larissa. LGBTFobia no Brasil: fatos, números e polêmicas. Site Politize!;

Dados públicos sobre violência homofóbica no Brasil: 29 anos de combate ao preconceito. Site da Fundação Getúlio Vargas.

3) Atividade de pesquisa e reflexão sobre as Etapas 4 e 5.

O que é heteronormatividade? O que é patriarcado?

A partir dos textos lidos e dos vídeos assistidos, você poderá fazer uma pesquisa a respeito desses conceitos. Algumas questões poderão ajudá-lo em sua reflexão:

a) O que é a heteronormatividade?
b) Como a heteronormatividade afeta a vida de quem se desvia desse padrão?
c) Como a ideia de heteronormatividade se relaciona com os conceitos de maioria e minoria que vimos acima?
d) O que é o patriarcado?
e) Como o patriarcado influencia na opressão de gênero?
f) O que é masculinidade tóxica?
g) O que é feminicídio?
h) Quais são as consequências da opressão causada pelo machismo na vida das mulheres e dos homens?

Você pode divulgar suas ideias em um podcast. Abaixo, segue tutorial de como fazer um podcast:

Como criar um podcast do zero? – Tipos de roteiro – Canal Gurus do Podcast.

7ª Etapa: Capacitismo

1) Assista aos vídeos abaixo e leia os textos.

2) Nos textos e vídeos, busque as informações que seguem:

a) O que define uma pessoa com deficiência?
b) Quais são as formas de discriminação que vivem as pessoas com deficiência?
c) Como são os estereótipos associados às pessoas com deficiência?
d) O que é capacitismo? Como ele se manifesta na prática?
e) Graças ao capacitismo, a quais direitos a pessoa com deficiência é excluída?
f) Qual a diferença entre acessibilidade e inclusão?
g) O que significa a patologização da deficiência?

Capacitismo. Canal da Tauani Vieira;

Rejeitam pessoas com deficiência com base no capacitismo – Canal do Instituto Claro;

NETTO, Letícia Rodrigues Ferreira. Capacitismo. Site InfoEscola;

CRUZ, Eliane Patrícia. Pesquisa diz que pessoa com deficiência sofre preconceito no trabalho. Agência Brasil;

Discriminar pessoas com deficiência é crime! – Blog Deficiente Ciente.

8ª Etapa: Gordofobia

1) Assista aos vídeos abaixo e leia os textos.

2) Nos textos e vídeos, busque as informações que seguem:

a) O que é gordofobia?
b) Qual a diferença entre preocupação e preconceito contra pessoas acima do peso?
c) O que é patologização? Estar acima do peso é algo que necessariamente gera doenças? Existem outras formas de saber se uma pessoa é saudável?
d) Além de violência simbólica e vexatória, quais são outros problemas que podem ter pessoas acima do peso?
e) O que contribui para a visão de que o obeso é doente ou desleixado?
f) Qual a diferença entre sofrer gordofobia e sofrer pela pressão estética?

Gordofobia – Canal Brasil Escola;

Gorda – Canal Globo Play;

JIMENEZ, Malu. Gordofobia: uma questão de perda de direitos. Revista Todas as Fridas;

LOUREIRO, Gabriela. Gordofobia: por que esse preconceito é mais grave do que você pensa? Revista Galileu.

3) Atividade de pesquisa e reflexão sobre as Etapas 6 e 7.

O que é padrão?

A partir dos textos lidos e dos vídeos assistidos, você poderá fazer uma pesquisa a respeito desses conceitos. Algumas questões poderão ajudá-lo em sua reflexão:

a) Quem é padrão? Quais as diferenças de padrão no mundo?
b) Como é o padrão no Brasil?
c) O conceito de padrão tem história?
d) Como essa ideia de padrão influencia no processo de exclusão de direitos?
e) Como o padrão oprime corpos discordantes?

Você poderá divulgar suas ideias em um vídeo. Abaixo, segue tutorial de como criar um vídeo:

Roteiro fácil para seu vídeo em apenas 04 passos! – Canal Produccine.

9ª Etapa: Proposta de redação - Bullying ou opressão?

1) Uma boa forma de testar os conhecimentos é fazendo uma redação dissertativa. Nesse caso, o tema é bullying. A partir das leituras feitas nesse roteiro e da coletânea abaixo, escreva uma redação dissertativa que explore o tema nas escolas.

Reflita: Será que toda a opressão que se vive na escola cabe no conceito de bullying?

Textos de apoio sobre bullying nas escolas

Texto 1

Bullying é uma palavra inglesa que significa intimidação. Infelizmente, ela está em moda devido aos inúmeros casos de perseguições e agressões que são encontrados nas escolas de todo o mundo, e que estão levando muitos estudantes a viverem situações verdadeiramente aterradoras.

O bullying se refere a todas as formas de atitudes agressivas, intencionais e repetitivas, que ocorrem sem motivação evidente, adotadas por uma ou mais pessoas contra outro ou outros. Quem pratica “bullying” o faz para impor seu poder sobre um indivíduo mais frágil por meio de constantes ameaças, insultos, agressões, humilhações, e assim tê-lo sob seu completo domínio durante meses ou anos. A vítima sofre calada na maioria dos casos. O maltrato intimidatório o fará sentir dor, angústia, medo, a tal ponto que, em alguns casos, pode levá-lo a consequências devastadoras, como o suicídio.

Disponível em: Guia Infantil

Texto 2

A lei que obriga escolas e clubes a adotarem medidas de prevenção e combate ao bullying entrou em vigor nesta semana. O texto publicado no “Diário Oficial da União” em 9 de novembro havia sido aprovado pela Câmara em outubro e enviado para a sanção presidencial.

Pelo texto aprovado, bullying é definido como a prática de atos de violência física ou psíquica exercidos intencional e repetidamente por um indivíduo ou grupo contra uma ou mais pessoas, com o objetivo de intimidar ou agredir, causando dor e angústia à vítima.

O projeto determina que seja feita a capacitação de docentes e equipes pedagógicas para implementar ações de prevenção e solução do problema, assim como a orientação de pais e familiares para identificar vítimas e agressores. Também estabelece que sejam realizadas campanhas educativas e fornecida assistência psicológica, social e jurídica às vítimas e aos agressores. Segundo o texto, a punição dos agressores deve ser evitada “tanto quanto possível” em prol de alternativas que promovam a mudança de comportamento hostil.

Disponível em: Lei que obriga escolas e clubes a combaterem bullying entra em vigor – G1

Texto 3

Assim como na pesquisa de 2012, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a maior parte dos entrevistados relataram em 2015 terem praticado bullying mais do que sofreram com o problema, e isso não apenas na escola, mas em qualquer ambiente que frequentam. Meninas são menos provocadoras do que meninos: 15,6% das alunas disseram já ter praticado bullying, enquanto entre os meninos a proporção sobe para 24,2%. A prática é um pouco mais frequente nas escolas privadas (21,2% dos entrevistados disseram fazer bullying) do que na rede pública (19,5%).

Sofreram bullying com frequência 7,4% (194,6 mil) dos alunos do 9º ano, principalmente por causa da aparência física. A incidência das provocações é um pouco maior nas escolas públicas (7,6%) , se comparada às particulares (6,5%).

Disponível em: Uol Educação

Texto 4

Fonte: Tema de redação: A prática de bullying nas escolas do Brasil – Descomplica

Materiais Relacionados

1) Vídeos:

Preconceito, Estereótipo e Discriminação – Canal Minutos Psíquicos;

Globalização e Diversidade Cultural – Canal Mande Bem no ENEM;

Roda Viva com o Professor Sílvio Almeida – 22/06/2020 – Canal Roda Viva;

Desafiando diversas formas de opressão com Maíra Azevedo – TED x Rio Vermelho;

Povos indígenas do Brasil – Canal Wariu;

As raízes históricas do preconceito contra indígenas brasileiros – Canal Observatório do 3º setor;

Eu não sou “oriental” – Canal Leo Hwan;

Conceito de gênero e a Antropologia – Canal Leitura ObrigaHISTÓRIA;

Existem Sociedades Matriarcais? – Canal Se Liga Nessa História;

Ideologia de Gênero – Canal Dr. Drauzio Varella;

Rita em 5 minutos: Gênero e Natureza – Canal Tempero Drag;

Medos reais de uma gorda – Desabafos – Canal Ju Romano;

“O que é gordofobia?” – com Rachel Patrício – Série Gordofobia #1 – Canal Comum;

Capacitismo – Canal Vai uma Mãozinha aí?;

Os surdos têm voz – Leonardo Castilho – Cabine #11 – Canal do Dr. Drauzio Varella;

Ser Síndrome de Down é comum – Claudio Aleoni Arruda – Cabine #02 – Canal do Dr. Drauzio Varella;

Deficiente Visual no Mercado de Trabalho – Irineu Cruz – Cabine #09 – Canal do Dr. Drauzio Varella;

Você já foi à Disney? Ariano Suassuna – Canal Território do Conhecimento;

2) Textos:

PORFÍRIO, Francisco. Cultura Brasileira: da diversidade à desigualdade. Site Brasil Escola;

BRANCO, Anselmo Lázaro. Sociedade – Relações sociais, diversidade e conflitos. Site Uol Educação;

BURCKHART, Thiago. Opressão e Ideologia. Revista Desacato;

PEIXOTO, Kércia Priscilla Figueiredo. Racismo contra indígenas: reconhecer é combater. In: Revista Anthropológicas, ano 21, número 28, vol. 02, 2017. pp. 27-56;

NEDER, Renata. O Brasil e a ameaça aos direitos dos povos indígenas. Site da Anistia Internacional;

Migrante Cidadão: violência expõe a xenofobia em Roraima. Site Amazônia Real;

SANDOVAL, Ana Cláudia. LEMOS, Beatriz. PEREIRA, Julia. NAKAMURA, Paola. Racismo anti-asiático: a constante adjetivação dos “povos amarelos”. Laboratório de Jornalismo – Cásper Líbero;

Imigração para o Brasil: “De repente o africano está no país novamente” – Site Alma Preta;

SOUSA, Rafaela. Imigração Venezuelana para o Brasil. Site Brasil Escola;

Lista de 20 situações machistas que mulheres vivem diariamente. Portal Geledés;

Por que falar em LGBTfobia e não homofobia? – Ponte Jornalismo;

CASTELLS, Beatriz. Gordofobia: entenda porque este preconceito é tão grave. Site Dicas de Mulher;

CERTEZA, Leandra Migotto. O que é capacitismo? – Revista AzMina;

ANDRADE, Sidney. Capacitismo: o que é, onde vive, como reproduz?

3) Podcasts e outras sugestões

Racismo é crime, Bolsonaro! – Podcast – Copiô, Parente – Episódio 132;

Eu sou não racista – Podcast Mamilos – Episódio #173;

Refugiados Venezuelanos e Xenofobia – Viracasacas Podcast – Episódio #76;

Violência contra a mulher – Educação Política – Politize! – Episódio #70;

Por que gordofobia não é motivo para piada? – PQPCast Episódio #179;

Acessibilidade: conteúdo com outros olhos – Braincast #181.

Arquivos anexados

  1. Roteiro de estudos – minorias sociais e opressão

Tags relacionadas

Talvez Você Também Goste

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.