Ao chegarem ao ensino fundamental, as crianças já possuem noções intuitivas em relação às grandezas e medidas. Informações como tempo, idade, peso e tamanho já fazem parte de seu repertório. No entanto, tratar desse tema em aula pode não ser muito fácil. “A escola às vezes cai numa cilada de transformar grandezas e medidas em um terror”, afirma o professor do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (USP) Antonio Carlos Brolezzi.

Entre os equívocos apontados por ele, estão alguns procedimentos como andar com a vírgula para esquerda ou para direita, e dividir ou multiplicar as quantidades por múltiplos de dez para se fazer a conversão para diferentes unidades de medida, como de litro para mililitro ou metro para quilômetro, por exemplo. “Nenhum desses truques é considerado adequado na formação”, argumenta.

Para fazer um bom trabalho com o tema, Brolezzi recomenda atuar a partir dos conhecimentos e referências de medida que a criança já tem. “É importante que se façam atividades clássicas de introdução às medidas, que são medir comprimento com os próprios pés, medir altura com os próprios palmos”, diz.

Confira mais na entrevista!

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Contação de histórias ajuda a ensinar cultura africana na escola

Como implementar a lei do ensino de história e cultura afro-brasileira e indígena nas escolas?

Qual o papel da escola no combate à violência contra crianças?

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.