De acordo com documentos como os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) e a Base Nacional Curricular Comum (BNCC), o ensino de língua estrangeira deve estar sustentado nos eixos da oralidade, leitura, conhecimentos linguísticos e dimensão intercultural.

Este último quesito ganha ainda mais destaque quando falamos no ensino do inglês. Por ser língua oficial em vários países e ser o idioma internacional para negócios, seu uso social pode variar muito, de acordo com o país ou com o contexto.

Para a professora do curso de linguagens da Faculdade SESI de Educação (Fasesp) Bianca R. V. Garcia, o educador do ensino fundamental I deve prezar pelas experiências dos alunos em sala de aula e, a partir daí, promover a aprendizagem do idioma. “A gente tende a olhar um pouco menos para questões como a precisão linguística e tende a olhar mais para a experimentação, para a vivência.”

Na entrevista, a professora fala sobre como deve ser feita a introdução de língua estrangeira na escola, dá exemplos de atividades interculturais e explica como pode ser feita a avaliação dos estudantes.

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Como levar conceitos da geopolítica para os alunos do ensino médio?

Lei que prevê psicólogos na escola pode sobrecarregar a instituição, avalia pesquisador

Para melhorar a convivência escolar, professores têm formação em Sumaré

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.