Não é de hoje que São Paulo convive com o forte afluxo de imigrantes, vindos de vários partes do mundo. Essa característica cosmopolita da cidade, muitas vezes tão festejada, também pode gerar conflitos. Com a intensificação da matrícula de crianças estrangeiras, a EMEF Infante Dom Henrique passou a ter um problema a enfrentar: os casos de bullying e as brigas. Alunos estrangeiros chegaram a deixar de frequentar as aulas por conta de agressões.

Para resolver esse problema, em 2015, o diretor Claudio Neto e sua equipe começaram um projeto para ajudar a integrar os novos alunos à escola, chamado de “Escola Apropriada”. A iniciativa é baseada em ações de acolhimento aos novos alunos, apresentação de diferentes culturas durante as aulas e a mediação para resolver situações de conflito.
Como resultado do trabalho, a escola tornou-se referência na recepção de estrangeiros e as matrículas entre esse público aumentou significativamente. Hoje, cerca de 20% dos alunos matriculados na escola são de famílias de imigrantes recentes. O reconhecimento também veio por meio de um convite para a instituição integrar a rede de escolas credenciadas pela Unesco, programa que reconhece o valor de iniciativas transformadoras em todo mundo, pelo trabalho de valorização dos direitos humanos.
Assista a outros programas do NET Educação:

 

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Contação de histórias ajuda a ensinar cultura africana na escola

Como implementar a lei do ensino de história e cultura afro-brasileira e indígena nas escolas?

Qual o papel da escola no combate à violência contra crianças?

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.