Mais de cem jovens voltaram a estudar quando passaram a cumprir medida socioeducativa na Fundação Casa da unidade da Vila Guilherme, em São Paulo (SP). Ao todo, 12 professores têm a missão de garantir educação para esses alunos. A tarefa é árdua, mas ser professor nesse contexto é compensador, segundo a educadora Carla Regina Marco. "Consegui enxergar o outro, com outro olhar. Já não era o olhar da sociedade e sim da educadora." 

A professora Stella Duarte rebate as afirmações que acham o trabalho perigoso: "estabelecemos uma relação de confiança, onde eu aprendo com eles e eles aprendem comigo, então é uma troca". A Fundação Casa é um centro de atendimento socioeducativo ao adolescente. No estado de São Paulo, são mais de dez mil jovens, com idades entre 12 e 21 anos, em 147 unidades. Eles cumprem medidas socioeducativas e podem ficar reclusos por até três anos.

Assista outros programas do NET Educação:
“Precisamos resgatar o que esse adolescente tem de melhor”
Mídia e educação: “Não dá para confiar em tudo o que é publicado”, diz Mariana Godoy
Mídia e educação: “Tem que discutir política. Tem que discutir tudo na escola”, afirma Mariana Godoy
Hortas escolares: os aprendizados além da alimentação saudável
Horta escolar envolve alunos e melhora comportamento
Assembleias escolares permitem experimentação democrática e aprendizados

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Aulas de reforço de matemática facilitam aprendizado com exemplos do cotidiano

Como implementar a monitoria aluno-aluno na escola?

“Lojinha” na escola ensina conceitos de economia a partir do cotidiano dos alunos

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.