O Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) financia e orienta ações de educação alimentar e nutricional no Brasil. Em paralelo, estados e municípios criam leis regionais com o objetivo de combater os alimentos ultraprocessados, como refrigerantes e biscoitos, em cantinas e refeitórios.

Um dos benefícios da alimentação saudável desde a infância é a redução de doenças crônicas, como diabetes e hipertensão na vida adulta.

Nesta entrevista, a nutricionista, mestre em intervenções e políticas públicas pela Universidade de São Paulo (USP) e membro do Observatório de Alimentação Escolar Giorgia Russo explica o papel das instituições de ensino e o que é necessário para garantir uma alimentação saudável no ambiente escolar, ainda que não haja legislação federal específica sobre a proibição dos ultraprocessados.

“É possível tornar a alimentação saudável mais atrativa quando a gente a atrela à educação, quando desenvolvemos o senso crítico [do aluno]. A escolha consciente faz com que faça sentido para o estudante consumir o alimento saudável em vez do não saudável. Precisa desmistificar que o saudável não é gostoso”, diz a especialista.

Atualizado em 13/03/2024, às 15h43.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Projeto “Mães guardiãs” busca combater a evasão escolar

Aulas de reforço de matemática facilitam aprendizado com exemplos do cotidiano

Como implementar a monitoria aluno-aluno na escola?

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.