Catarina Trigo tem apenas onze anos e já é responsável por grandes feitos. Idealizadora do canal no YouTube “A menina que indica livros“, ela já conta com mais de 150 vídeos recomendando obras para outras crianças, promoveu 14 piqueniques para troca de publicações, doou mais de 500 exemplares e foi uma das vencedoras de um prêmio do Instituto Pró-Livro em 2017. Um projeto que começou sem querer durante um jantar com os pais.

“Minhas amigas estavam fazendo vídeos de maquiagem no Facebook e eu queria fazer alguma coisa legal também. Então, pedi para a minha mãe e meu pai se eu poderia fazer indicação dos livros que eu lia na semana. E eles me apoiaram”, relembra. “A maior influência foi dos meus pais, que sempre liam pra mim. Quando eu ainda não era alfabetizada, eu decorava as páginas e ‘lia’ para minhas bonecas e para meu coelho. Na escola, também. A minha professora emprestava obras da biblioteca pra gente trazer pra casa”, revela.

Sugestões pessoais

Catarina apenas faz vídeos sobre exemplares que realmente leu e gostou. “Eu indico obras que estão na minha biblioteca – que comprei ou ganhei de alguém ou das editoras. E também aqueles que alguém me empresta ou que peguei na biblioteca. Se tem algum que eu li e não gostei, eu prefiro não indicar”, garante.

Entre suas publicações de cabeceira estão “Matilda”, de Roald Dahl, e “Menina bonita do laço de fita”, de Ana Maria Machado. “Eu me identifico um pouco com a personagem Matilda. Eu já gostava do filme desde pequena, mas quando li o livro, achei muito mais legal porque tem mais detalhes”, justifica. “Já a obra de Ana Maria Machado ensina que todos nós somos importantes, fala sobre as diferenças e o valor de cada um”, acrescenta.

É durante os piqueniques literários, que promove em parques públicos, que Catarina percebe o impacto da sua página nos hábitos literários de outras crianças. “Elas vêm me contar que leram algum livro que indiquei e me indicam alguns também”, descreve. “A gente agenda a data do piquenique e divulga no Facebook, na escola e na roda de amigos. Então, levo as obras para a feirinha de troca, montamos o varal onde faço a doação, fazemos rodas de leituras e sorteios de publicações novas. Algumas editoras enviam material para a gente montar o evento”, revela.

Leitura de férias

Para o recesso escolar, a “booktuber” tem na manga três obras para indicar a outras crianças. A primeira delas é a coleção “Amigas da Rua Lotus” (Ed. Fundamento). “São quatro livros, sendo o diário de cada uma delas: Kiki, Lulu, Naná e Mika”, assinala. “Minha segunda indicação é o conjunto da Thalita Rebouças. O “’Fala sério, amiga’ (Editora Rocco) foi o que mais gostei”, entrega. “Por fim, recomendo o ‘Patacoadas’ (Editora Escarlate) – livro de crônicas, de Patrícia Auerbach -, muito divertido”, finaliza.

 

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

7 filmes para ensinar Segunda Guerra Mundial

Obras abordam as batalhas, o Holocausto e a atuação dos pracinhas brasileiros no conflito

Gravidez na adolescência pode ser abordada nas aulas de geografia

Marcadores sociais das gestantes, como raça e classe social, ajudam no debate em sala

Heróis dos quadrinhos ajudam a ensinar conteúdos de botânica

Personagens do reino vegetal podem ser abordados no estudo de taxonomia e fisiologia

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.