Gincana integra tecnologias digitais para ensinar conceitos de química

Voltada a alunos do ensino médio e fundamental das escolas de Araraquara e região, a Gincana Tecnológica e Investigativa de Química (GTIQ) acontece no Centro de Ciências de Araraquara (CCA), que foi adaptado e ganhou novos equipamentos, como computadores, lousas digitais, projetor multimídia e celulares.

Durante a Gincana, os participantes visitam várias dependências do CCA. No laboratório de química, realizam três atividades experimentais: descobrir quais substâncias são ácidas ou básicas, tornar um prego vermelho utilizando uma reação química e identificar, com o auxílio do reagente luminol (essa reação é a mesma que, em séries de TV como CSI, os cientistas forenses utilizam para procurar e identificar sangue em uma cena de crime), qual objeto está contaminado com íons ferro. Na sala de física, os “detetives” realizam uma prática experimental para entender o funcionamento das light stick (pulseiras brilhantes presentes em festas e shows). E, na sala de biologia, analisam o corpo humano para encontrar os órgãos em que ocorrem reações como a formação de carboxiemoglobina.

As tecnologias entram para marcar a narrativa, uma vez que os códigos QR é que vão ajudando os participantes a descobrirem as tarefas ao mesmo tempo que dão pistas sobre o enigma proposto (veja infográfico abaixo).

Leandro Bevilacqua

Guiados por monitores

Durante toda a Gincana, os grupos de visitantes são guiados por monitores, alunos de graduação da Unesp, que também participam de todo o processo de elaboração, teste e escolha das pistas que serão usadas nas tarefas. “O projeto está em constante estudo e aprimoramento, e as pistas e tarefas da Gincana são alteradas com certa regularidade para que se adaptem à participação de visitantes de diferentes faixas etárias e séries escolares”, explica o coordenador Luiz Antonio de Oliveira. A fase de seleção desses alunos ocorre no começo do ano, período em que o CCA faz a divulgação nas escolas e organiza os agendamentos da Gincana.

Para 2012, a meta é realizar a Gincana três vezes por semana, totalizando 15 mil visitantes (em 2011, foram 10 mil), e fortalecer ainda mais o projeto no Centro de Ciências e posteriormente na Unesp. “Em uma etapa futura vamos apresentar a Gincana Tecnológica e Investigativa de Química em eventos e congressos científicos para despertar o interesse de professores e pesquisadores que atuam em espaços não formais de ensino, semelhantes aos do CCA, e assim disseminar o uso das TICs em processos de aprendizagem”, explica Oliveira.  (por Anacarolina Garcia)

Para mais informações sobre a GTIQ e agendamentos de visitas, o contato pode ser feito por telefone (16) 3322-4812 ou pelo site www.cca.iq.unesp.br.

Acompanhe também nossa página no Facebook.

Leia mais

Gincana de química é a grande vencedora na categoria “Inovar na Aprendizagem”

Projeto vencedor do Prêmio Instituto Claro 2010, Gincana Tecnológica e Investigativa de Química é lançada

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

13 dicas para criar uma peça de teatro com os alunos

Professores recomendam trabalhar com jogos, improvisações, literatura e música no processo criativo

Como ensinar ginástica na educação física escolar?

Professoras indicam 8 possibilidades para desenvolver com alunos do ensino fundamental

11 formas de acolher o aluno com síndrome de Tourette

Ambiente inclusivo evita que estudantes sofram com bullying e dificuldades de aprendizagem

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.