Os problemas oculares podem ocorrer em todas as faixas etárias na infância. Contudo, é a partir do ensino fundamental que eles geralmente se tornam mais evidentes. “Este período é marcado por uma exigência crescente, nas tarefas escolares, da visão de longe e de perto”, afirma o diretor da Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica, Galton Vasconcelos.
 
 
A maior parte das deficiências visuais que dão as caras na infância pode ser tratada com o uso de óculos e lentes de contato. São os chamados erros refrativos: a miopia (perda de nitidez à distância), o astigmatismo (quando a córnea não é esférica, acarretando em imagens distorcidas) e a hipermetropia (dificuldade de enxergar de perto).
 
“Quando não identificados e corrigidos, esses problemas geram dificuldades para o aluno acompanhar as atividades propostas na lousa, nas atividades de leitura e escrita e a velocidade de leitura fica diminuída”, lembra o médico.
 
Outras patologias oculares importantes que causam deficiência visual na infância são a catarata congênita (quando a área do olho chamada de cristalino fica opaca, provocando baixa visão) a toxoplasmose ocular (doença causada por micro-organismos presentes nas fezes de animais que provocam inflamação interna) e o glaucoma congênito (quando a pressão do olho é maior do que a pressão do corpo).
 
De olho nos sintomas
Os professores podem ajudar a identificar problemas oculares em seus alunos ficando atento a alguns sintomas. Crianças míopes, por exemplo, costumam apertar as pálpebras para tentar enxergar melhor e ter o hábito de aproximar os objetos dos olhos. Elas também podem preferir atividades como leitura e pintura do que brincadeiras ao ar livre, que envolvem distâncias.
 
Já alunos portadores de hipermetropia e astigmatas geralmente apresentam dores de cabeça, tonturas, cansaço visual e olhos vermelhos. “Crianças com problemas oculares também costumam adotar posições compensatórias da cabeça, na tentativa de fixação, e pode ocorrer perda do interesse na aula, pelas dificuldades visuais”, assinala Vasconcelos.
 
Pais e professores podem, ainda, submeter à criança ao teste da Tabela de Snellen,  elaborada para medir a visão (veja no Manual da Comunidade Escolar – Saúde Ocular). Crianças que apresentarem problemas na identificação das figuras durante o exercício devem ser encaminhadas para exame oftalmológico.
 
“Nesse caso, os pais devem procurar o posto de saúde do SUS mais próximo de sua comunidade e informar ao médico generalista das queixas visuais de seu filho. O profissional fará o encaminhamento ao centro de maior complexidade, onde será feito o exame pelo oftalmologista”, orienta o médico. 
 
Veja mais: 

 

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

5 jogos para ensinar ortografia de forma lúdica

Atividades fazem alunos refletirem sobre principais erros na escrita de palavras

Como trabalhar habilidades socioemocionais usando metodologias ativas?

Situações de aprendizagem permitem que alunos interajam e manejem emoções na prática

7 exercícios para ensinar judô na educação física escolar

Atividades de desequilíbrio e jogo cooperativo ensinam princípios do esporte

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.