Novas tecnologias estão cada vez mais presentes na educação, incluindo o ensino superior. De acordo com relatório de 2014 da Horizon Report (acesse versão inglês aqui), divulgado neste mês, é uma tendência o aumento do uso de seis novas tecnologias educacionais, nos próximos cinco anos.

Leia também:
 
O estudo é realizado anualmente por mais de 40 pesquisadores especialistas em tecnologia educacional, de 40 países, incluindo o Brasil. Para divulgar as tendências que são analisados materiais como artigos, publicações e relatórios. “Há uma observação por parte dos pesquisadores do que já está acontecendo, e do que vai passar a acontecer nos próximos anos e que vai impactar no ensino”, diz a professora e uma dos membros do conselho consultivo da Horizon Report, Cristiana Mattos Assumpção 
 
Acompanhe abaixo as previsões do relatório com relação ao desenvolvimento de tecnologias educacionais:
 
ATÉ UM ANO
 
Flipped Classroom (sala de aula invertida, na tradução livre) Trata-se de um modelo que reorganiza quanto tempo é gasto dentro e fora da classe, mudando foco da aprendizagem dos educadores para os alunos. O tempo em aula é gasto com projetos dos alunos e trabalhos em conjunto para resolver os desafios, ao invés de o professor fazer exposições e o aluno lição em casa. O estudante passa a assistir as aulas em vídeo, ouvir podcasts e ler e-books. Com isso, tem a possibilidade de acessar recursos a qualquer momento que precisarem. A ideia é os alunos gerenciarem o conteúdo, o ritmo e estilo de aprendizagem.
 
Learning Analytics (análise da aprendizagem, na tradução livre) Conceito de um ramo da análise estatística que foi originalmente desenvolvido como um modo para empresas analisarem as atividades comerciais. Assim, surgem plataformas que usam dados dos alunos para tomar ações mais adequadas. O objetivo seria levantar novas formas de aplicação para melhorar o envolvimento dos alunos e ganhar em qualidade, bem como proporcionar experiência personalizada para os alunos.
 
UM A TRÊS ANOS


3D Printing Impressão em 3D refere-se a tecnologia de construir objetos físicos a partir de três dimensões (3D). Utilizando diferentes materiais, cor pode ser aplicada, e as peças podem ser de plástico, resina, metal, tecido, e até mesmo alimento. Esta tecnologia é comumente usada na fabricação de protótipos para construir diversos objetos, dimensionados para caber na impressora.
 
Games e Gamefication (gameficação, na tradução livre) Tanto na educação básica, como no ensino superior, a cultura dos jogos tem crescido em todo o mundo, e também no Brasil. Como tablets e smartphones proliferaram, computadores desktop, laptop e televisores já não são a única maneira de se conectar com outros jogadores online. Apenas ser recreativa e tem sido considerado próximo das forças armadas, a atividade é considerada como um instrumento útil de formação e motivação.
 
QUATRO A CINCO ANOS


Quantified Self (qualificar a si mesmo, na tradução livre)Capacidade de acompanhar de perto os dados que são relevantes para suas atividades diárias por meio do uso da tecnologia. Já existem relógios, pulseiras e colares que são projetados para coletar dados automaticamente para ajudar as pessoas a gerirem suas aptidões, ciclos de sono e hábitos alimentares. Aplicativos não só acompanham aonde uma pessoa vai e o que faz, mas agora o que suas aspirações são e quando poderão ser realizadas.
 
Virtual Assistants (assistentes virtuais, na tradução livre) O trabalho com o que ficou conhecido como inteligência artificial. O conceito baseia-se em desenvolvimentos de interfaces utilizando engenharia, ciência da computação, e biometria. O iPhone da Apple Siri e Jelly Bean do Android permitem aos usuários controlar todas as funções do telefone e participar de conversas realistas com o assistente virtual. O potencial da tecnologia para ser utilizada em modos informais de aprendizagem é possível.
 
Para Cristiana, ainda existem desafios no Brasil para tornar mais viável seguir com as tendências. “As instituições são antigas, e muitas vezes há resistências com relação às mudanças. Também, a falta de recursos financeiros conta nesses casos.”
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Duolingo estimula vocabulário nas aulas de inglês, mas é deficiente em oralidade

Professores indicam formas de usar ferramenta para complementar currículo e mediar aprendizagem

Anabolizantes podem ser tema de aulas de química orgânica no ensino médio

Aluno que modificou corpo inspirou professora do Paraná a elaborar sequência didática

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.