A aprendizagem do estudante é o principal foco do professor de matemática na hora de buscar uma formação continuada. Esse foi um dos resultados da pesquisa “Eu ensino matemática: a formação continuada que eu quero”, do Grupo Mathema, em parceria com a Rede Conhecimento Social, que ouviu 1.838 professores de todas as regiões do Brasil. A necessidade de suprir lacunas na formação inicial e a troca entre pares também foram motivos levantados pelos entrevistados.

“Ao contrário do imaginávamos, a progressão na carreira e a titulação não são o foco para a procura pela formação continuada”, conta a sócia-diretora do Mathema, Kátia Smole. “Além disso, ao longo da pesquisa, não houve diferenças significativas nas respostas dos professores da rede pública e particular, ou entre educadores polivalentes (formados em pedagogia) e especialistas (licenciados em matemática). Ou seja, as angústias e as inquietações são compartilhadas por todos”, complementa.

Quando a pergunta foi sobre as causas dos baixos indicadores de aprendizagem de matemática no país, o professor responsabiliza a metodologia de ensino inadequada (32%), a formação inicial (19%) e formação continuada insuficientes (14%). O material didático (3%) e o currículo inadequado (9%) estão nas últimas posições.

O professor ainda acredita que a melhor maneira de ensinar matemática é contextualizar o conteúdo com a realidade do estudante (44%), ser mediador do conhecimento (24%), fazer projetos práticos e de resolução de problemas (19%). A interdisciplinaridade (9%), aulas baseadas em tecnologia (3%) e aulas teóricas (2%) foram as categorias menos mencionadas.

“Os dados dialogam, de certa forma, com a pesquisa Nossa Escola em (Re)Construção, do Porvir, de 2016, que ouviu os alunos. Aproximadamente 36% dos estudantes responderam que a melhor maneira de aprender era por projetos”, relembra Kátia.

Busca por novas práticas

Sobre o que gostariam de aprender em um curso de formação continuada, 83% dos entrevistados disseram ter muito interesse em diferentes práticas de ensino, 75% em interdisciplinaridade, 73% no uso de tecnologia em aula e 68% em formas de considerar o erro.

“Mais do que transmitir todo o conteúdo, os professores afirmaram que levam em consideração as dificuldades dos estudantes na hora de elaborar as aulas (sete de cada dez entrevistados) e que procuram acolher a individualidade de cada estudante (quatro de cada dez entrevistados”, aponta Smole.

A sócia-diretora do Mathema, Kátia Smole, durante apresentação dos dados da pesquisa em 4 de maio de 2018 (crédito: Maisa_Gontijo/divulgação)

 

Os docentes relatam que deixam de participar dos cursos de formação continuada pelo alto valor cobrado e por falta de tempo. Além disso, a maioria afirma preferir cursos de longa duração (com mais de 30 horas, 44%) e de média duração (entre nove e 30 horas, 40%) aos cursos rápidos (de três a oito horas). Por fim, há preferência por cursos presenciais (43%) e semi-presenciais (33%) aos exclusivamente online (23%). “A troca entre os pares é considerada importante”, analisa a educadora.

A pesquisa “Eu ensino matemática: a formação continuada que eu quero” foi realizada por meio de questionário online, elaborado com a ajuda de 18 professores que ensinam matemática em diferentes regiões do Brasil. O grupo pesquisado foi composto por professores das redes pública e particular, e de atuação especializada e polivalente. Dos 1.838 entrevistados, a maioria eram mulheres (80%), entre 35 e 49 anos (60%), com mais de dez anos de docência (60%) e mais escolarizadas que a média nacional (80% com pós-graduação).

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Metodologia ativa ‘brainstorm’ na alfabetização aproveita curiosidade e vivência das crianças

Escrita e leitura são estimuladas a partir de perguntas ou criação de listas temáticas

Metodologia da sala de aula invertida fica prejudicada pela falta de internet

Em pesquisa sobre ensino híbrido, professor de ciências identificou preferência por rotação em estações

Após sentirem as dificuldades, recém-formados em matemática desistem da docência

Relatos incluem falta de perspectiva financeira, profissional e experiências negativas no estágio obrigatório

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.