As tecnologias digitais fazem uso da cor e, de acordo com as diversas pesquisas sobre a leitura de imagens, as cores são elementos fundamentais desse universo digital, pouco explorados ainda pela imensa maioria dos professores como recurso pedagógico. Infelizmente as pessoas se esquecem de que o conhecimento não é estanque, segmentado, e sim formado por diversas informações que, juntas, constroem um saber.

Num universo onde a imagem prevalece como ainda acontece na maioria das TICs, conhecer os fundamentos da comunicação visual pode fazer a diferença entre um trabalho bem sucedido e os outros. Sempre que inicio um trabalho que tenha como ponto central refletir sobre as tecnologias digitais de informação e comunicação, procuro tratar de um de seus principais elementos – a cor – como ponto de partida para esta reflexão.

 

Embora existam vários livros sobre cores, sem desmerecer nenhum deles, considero leitura essencial o livro Da Cor à Cor Inexistente, de Israel Pedrosa. É, sem dúvida alguma, a indicação quase unânime entre os profissionais de arte, design, comunicação e demais áreas que lidam com este elemento: a cor -, e deveria ser também dos profissionais que lidam com educação e tecnologia. É somente conhecendo a amplitude do universo das cores que se pode desfrutar mais seguramente de suas características como elemento da comunicação.

 

Estudioso das cores, o artista Israel Pedrosa fez quase que um tratado sobre o tema, tratando-o sob os aspectos físicos, artísticos, estéticos e perceptuais, e mostrando o papel das cores na vida dos homens e em seu uso no cotidiano, tornando este livro um dos mais completos, em termos de variedade de tratamentos dados ao tema central – as cores. A primeira edição é de 1977, pela Editora da UNB, revisada e relançada, está na sua 9ª edição, de 2003.

 

Composta de 08 capítulos, a obra trata dos aspectos da cor, da luz, do olho e da visão; fala de Leonardo da Vinci e a teoria das cores; de Newton e a óptica física e do que chama de “esboço” de uma teoria das cores, de Goethe. Fala, ainda, de estímulos visuais e estruturas da cor; dos elementos psicológicos da cor; da utilização mística e simbólica. Abordando do impressionismo à arte abstrata, analisa o emprego das cores no Brasil e discorre sobre a harmonização das cores; a lei do contraste simultâneo das cores; e as mutações cromáticas, chegando, por fim, ao que denominou de cor inexistente.

 

É, realmente, um clássico. Ponto de partida para qualquer estudo sobre cores e, pensando nas tecnologias digitais e em como elas fazem parte do nosso dia a dia, seja como usuário, seja como profissional da área, é leitura imprescindível para quem deseja entender realmente os processos da comunicação visual, essenciais ao universo multimidiático em que vivemos.

 

Ficha técnica
“Da cor à Cor inexistente”, Israel Pedrosa
Editora Leo Christiano, 220 páginas

 

Confira abaixo o sumário do livro:

 

I – INTRODUÇÃO

 

– A COR – Estímulos. Percepção da cor. Classificação das cores.
– A LUZ – Emissão, propagação e natureza da luz. Características e propriedades da luz. Diferença de velocidades: fator de decomposição da luz branca. Aferição da luz. Os átomos na produção da luz.
– O OLHO E A VISÃO – Estrutura do olho humano. Visão cromática. Limites da visão.

 

II – PREMISSAS E DESENVOLVIMENTO DA TEORIA

 

– LEONARDO DA VINCI E A TEORIA DAS CORES – O legado histórico. A influência de Alberti e o saber da Antiguidade. Perspectiva aérea. Cores primárias. Visão da cor. Colorido renascentista. O esfumado. A beleza das cores. Contraste simultâneo de cores. Sombra e luz. Composição da luz branca.
– NEWTON E A ÓPTICA FÍSICA
– O ESBOÇO DE UMA TEORIA DAS CORES, DE GOETHE – Antecedentes e origens das preocupac6es cromáticas. Discordância da teoria de Newton. Antigas verdades e descobertas de Goethe. O efeito sensível-moral da cor.
– ÓPTICA FISIOLÓGICA – Teoria tricromática. Adaptação visual. Movimento e latência.
Discos rotativos. Diferença de percepção.
– REPRESENTAÇÃO GRAFICA, TRIDIMENSIONAL E MENSURAÇÃO DE CORES – Sólidos de cores. Espectrofotometria. Colorimetria.

 

III – A NATUREZA DA COR E SUA AÇÃO PSÍQUICA, SIMBÓLICA E MÍSTICA

 

– ESTÍMULOS: ESTRUTURAS DA COR
– ELEMENTOS PSICOLÓGICOS
– UTILIZACÃO MÍSTICA E SIMBÓLICA – Reações à cor. Fascínio da abstração. A cor no esporte. A cor na Teosofia e Antroposofia. A cor nos cultos afro-brasileiros.

 

IV – CORES

 

– CORES – Vermelho. Amarelo. Verde. Azul. Violeta. Laranja. Púrpura. Marrom, ocre e terras. Branco. Preto.

 

V – DO IMPRESSIONISMO À ARTE ABSTRATA

 

– DO IMPRESSIONISMO À ARTE ABSTRATA – Antecedentes do Impressionismo. O Impressionismo. O Abstracionismo.

 

VI – 0 EMPREGO DAS CORES NO BRASIL

 

– O EMPREGO DAS CORES NO BRASIL

 

VII – ELEMENTOS DE HARMONIA

 

– CONSIDERAÇÕES GERAIS – Harmonização de valores e tons. Escala de valores.
– HARMONIZAÇÃO – Sistema gráfico de harmonização de cores. Círculos de Harmonização e Módulos de Mensuração. Módulos de Mensuração. Combinação de cores. Harmonia de tons, ou cromática. Escala cromática em Modo Maior ou Menor. Harmonia consonante. Harmonia assonante.
– DA LEI DO CONTRASTE SIMULTÂNEO DAS CORES

 

VIII – COR INEXISTENTE

 

– MUTAÇÕES CROMÁTICAS
– COR INEXISTENTE – Componentes estruturais. O domínio do fenômeno.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Como ensinar ginástica na educação física escolar?

Professoras indicam 8 possibilidades para desenvolver com alunos do ensino fundamental

11 formas de acolher o aluno com síndrome de Tourette

Ambiente inclusivo evita que estudantes sofram com bullying e dificuldades de aprendizagem

16 jogos de mão para apresentar às crianças na escola

Educadora indica brincadeiras para trabalhar rimas e musicalidade com os alunos

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.