Para incentivar o aprimoramento de novos realizadores audiovisuais e reforçar o conceito educativo do Festival Nacional de Curtíssima Metragem – Claro Curtas, o Instituto Claroidealizou, com a produtora Casa Redonda e com os cineastas Philippe Barcinski e Marco Del Fiol, a realização do projeto Laboratório – Experimentações Audiovisuais. O objetivo da iniciativa é levar oficinas de produção de vídeo a diversas cidades brasileiras, com atividades práticas e teóricas que vão desde a estruturação da ideia até a captação e a edição de imagens.

O lançamento nacional do projeto Laboratorio aconteceu em Salvador. Em parceria com a Secretaria de Cultura do Governo do Estado da Bahia e com o Instituto Anísio Teixeira (IAT), o Instituto deu início às oficinas no dia 16 de abril, em Salvador. Coordenados por Barcinski e Del Fiol e com monitoria do também cineasta e educador baiano Lula Oliveira, os encontros, abertos a todos os realizadores e interessados por audiovisual. Nos dias 30 de abril e 1º de maio as oficinas aconteceram na cidade carioca de Volta Redonda, no Rio de Janeiro.

O cineasta Marco Del Fiol, um dos coordenadores do projeto

Em módulos de dois dias em cada local, num processo intenso de aprendizado e experimentação, os participantes de cada oficina produzem vídeos de até três minutos e ensaios fotográficos que são publicados no site www.projetolaboratorio.com.br/ba e exibidos nas comunidades beneficiadas pela iniciativa.

“A produção audiovisual era, até bem pouco tempo, privilégio de poucos. Hoje, no entanto, criar, produzir, editar e difundir conteúdos audiovisuais está ao alcance de quase toda a população. Com um simples celular, câmera fotográfica digital ou webcam, é possível captar imagens e sons. A plataforma Claro Curtas visa justamente isso: estimular a experimentação, o aprendizado, a criação, e a produção do audiovisual via dispositivos móveis por todo Brasil”, explica Carime Kanbour, vice-presidente do Instituto Claro.

Com o intuito de estimular experimentações audiovisuais também em ambientes educativos formais e informais, aconteceu em Salvador uma oficina especial exclusiva para educadores sociais e professores, em parceria com o Instituto Anísio Teixeira e a Secretaria de Educação do Estado da Bahia. A intenção desse módulo foi sensibilizar educadores para as possibilidades de uso da linguagem audiovisual em sala de aula a partir de metodologias e equipamentos simples e acessíveis. “Esta é uma oficina de linguagem. Não propomos uma formação do olhar, mas uma ‘reformação do olhar’. O participante é estimulado a fazer recortes do que vê e ‘organizar’ essas imagens em um discurso poético próprio. Cada um faz suas fotos, grava suas imagens e edita seus vídeos. Em cada etapa, o participante é convidado a refletir sobre a sua produção e a do grupo”, comenta o cineasta Marco Del Fiol.

Ainda em 2011, as oficinas do Laboratório – Experimentações Audiovisuais irão para outros Estados, como Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pará e Rio Grande do Sul, compondo um circuito de aprendizado, criação, produção e difusão de vídeos e fotografias capazes de demonstrar os potenciais regionais de expressão por meio da linguagem audiovisual, de forma acessível e democrática. As oficinas estão abertas a qualquer pessoa interessada em experimentar livremente sua criatividade produzindo fotos e vídeos de curta duração. As vagas são limitadas, e as inscrições devem ser feitas por e-mail.

Vídeos e revista da oficina de Salvador já estão no ar

A revista digital Laboratório Bahia

O material produzido nas oficinas de Salvador já está disponível na página do projeto: são 11 vídeos e a revista digital de fotografia Laboratório Bahia. Todo o conteúdo foi realizado pelos participantes, da captação à edição. De acordo com o cineasta Marco Del Fiol, o resultado dos primeiros encontros na Bahia surpreendeu. “Teve muita diversidade, como videoarte, documentário, ficção etc. Nossa ideia é que as pessoas mergulhem no universo audiovisual por dois dias. Fazemos um convite para todo mundo se confrontar com o ato de produzir. E, em Salvador, já conseguimos resultados muito bons, usando equipamentos simples”, afirma. Para Del Fiol, um dos destaques deste ano é o projeto conseguir colocar as fotos e os vídeos na internet com agilidade, sendo parte do material já disponibilizada no mesmo dia. “As pessoas ficam satisfeitas de poderem compartilhar o resultado do trabalho”, completa.

Leia mais

Quer saber mais sobre o projeto Laboratório? Acesse: www.projetolaboratorio.com.br.

Confira também a página do Claro Curtas

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

13 dicas para criar uma peça de teatro com os alunos

Professores recomendam trabalhar com jogos, improvisações, literatura e música no processo criativo

Como ensinar ginástica na educação física escolar?

Professoras indicam 8 possibilidades para desenvolver com alunos do ensino fundamental

11 formas de acolher o aluno com síndrome de Tourette

Ambiente inclusivo evita que estudantes sofram com bullying e dificuldades de aprendizagem

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.