Estender a aprendizagem e a troca democrática de informações entre estudantes e professores às plataformas digitais é um ponto de convergência entre o Instituto Claro e o Catraca Livre, que acabam de firmar parceria.

O objetivo é mobilizar os participantes a promover a cidade como espaço educativo, além de apresentar a tecnologia como veículo capaz de registrar, compartilhar e ressaltar a importância das experiências culturais e artísticas. Uma das ações da parceria é o Pólo Catraca, que será fomentado em escolas públicas E privadas que tiverem o interesse de mobilizar professores e estudantes para a busca de informações culturais sobre a sua cidade e divulgá-las, posteriormente, em blogs criados no ambiente de ensino. Este projeto também conta com o apoio do Instituto Faça Parte, organização não-governamental parceira do MEC, Unesco e ONU, entre outros, que apoia a multiplicação dos pólos catracas.

 

O primeiro Pólo Catraca já está em atividade, no Colégio Dante Alighieri. As atividades podem ser acompanhadas pelo blog e perfil do twitter criados pelos alunos.

 

O grupo estudantes do colégio que participa da iniciativa mapeou os pontos culturais da Av. Paulista e, durante a Virada Cultural, realizada na cidade de São Paulo no início de maio, foi conferir atrações do evento com a finalidade de produzir material audiovisual a partir de percepções individuais: aquilo que cada aluno considerava interessante era registrado.

“Além da utilização da tecnologia, outra questão muito interessante desse projeto é mesmo a responsabilidade autoral, pois com a divulgação em blog e com as parcerias com o Instituto Claro e o Catraca Livre, o aluno vê o que ele produz repercutir e se tornar útil para a sociedade”, avalia Valdenice Minatel, coordenadora do departamento de tecnologia do colégio Dante Alighieri. “Isso inspira responsabilidade e percebo que eles estão muito entusiasmados”, completa a professora que supervisiona as produções.

O jornalista Gilberto Dimenstein, coordenador do Catraca Livre, comenta a proposta traçada a partir da parceria com o Instituto Claro. “Nosso objetivo é oferecer a tecnologia e transformar a cidade numa grande sala de aula, onde se aprende em qualquer hora e em qualquer local.”

Nas escolas, os alunos serão orientados a realizar pesquisas no Catraca Livre, que possui um banco de dados de eventos culturais da cidade com preços populares ou gratuitos, a utilizar a agenda cultural da própria escola como fonte e, ainda, a discutir quais opções de entretenimento disponíveis próximas às escolas podem ser inseridas  nos blogs. Eles mesmos farão a atualização do conteúdo, com a supervisão dos educadores.

Para a vice-presidente do Instituto Claro, Carime Kanbour, esta é uma oportunidade de estimular ainda mais a utilização das novas tecnologias como ferramenta inovadora para a aprendizagem. “Por meio dessa parceria, vamos reforçar o aprender diferente e lúdico nos espaços da cidade, em eventos culturais e em manifestações artísticas”, diz Carime.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

13 dicas para criar uma peça de teatro com os alunos

Professores recomendam trabalhar com jogos, improvisações, literatura e música no processo criativo

Como ensinar ginástica na educação física escolar?

Professoras indicam 8 possibilidades para desenvolver com alunos do ensino fundamental

11 formas de acolher o aluno com síndrome de Tourette

Ambiente inclusivo evita que estudantes sofram com bullying e dificuldades de aprendizagem

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.