O lançamento do Fronteiras da Educação – Diálogos com os Professores, apresentado pelo Instituto Claro, trouxe ao Brasil, no dia 17 de agosto, o norueguês Jostein Gaarder, autor de “O Mundo de Sofia”. O evento reuniu cerca de 650 pessoas, a maior parte professores da rede pública de ensino do Rio Grande do Sul. O Fronteiras da Educação é um desdobramento dos encontros Fronteiras do Pensamento, realizados desde 2007 e que já conquistaram um lugar cativo na cena cultural da cidade de Porto Alegre. Eles acontecem na primeira segunda-feira de cada mês, sempre com um convidado especial que discute o tema proposto pelo projeto para aquele ano. O desafio de 2010 é debater os desafios do século XXI.

 

Para ampliar a atuação educativa do projeto, o Fronteiras do Pensamento, neste ano, foi desdobrado em dois módulos para públicos específicos: jovens e professores da rede pública de educação do Rio Grande do Sul. “O Fronteiras da Educação trabalha toda a cadeia do pensamento, alunos, professores e pais. Com isso, mobilizamos toda a sociedade para debatermos o pensamento crítico. Qual é o nosso papel? E o que nós queremos para o mundo? E é importante que nós possamos fazer isso, discutindo as ideias dos grandes pensadores e é isso que o Fronteiras da Educação está fazendo”, afirma o reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Carlos Alexandre Netto.

Segundo Joana Bosak, professora de Literatura da UFGRS e uma das consultoras educativas do projeto, o Fronteiras da Educação busca repensar o formato tradicional escolar. “O encontro, em si, já é um deslocamento, no momento em que já há uma saída da escola. Isso altera o calendário, já introduz um dado novo, temas novos”, diz. “Além disso, é um projeto que insere no cotidiano dos professores novas linguagens, novas tecnologias, e ajuda, tanto eles, quanto os alunos, a aproveitarem os conteúdos – que chegam em uma carga tão grande para eles – de uma forma melhor”, declara.

Pacto com o futuro

“Devemos fazer para a próxima geração o que gostaríamos que a geração anterior tivesse feito conosco”, defendeu Jostein Gaarder, em sua apresentação. O autor, que também já atuou como professor em salas de aula, contou que resolveu escrever o livro O Mundo de Sofia para que seus alunos entendessem, e gostassem, de filosofia que, assunto que na maioria das vezes pode ser visto como um árido ou sem importância pelos estudantes.

Divulgação

Jostein Gaarder defende a busca pornovas formas de ensinar

Para Gaarder, a função do professor, na atualidade, é dar aos jovens esperança quanto ao futuro do mundo e incentivar os questionamentos desde a infância, estimulando seus alunos a criarem narrativas próprias. “A arte da pergunta deve ser cultivada”, diz. Para ajudar nesse trabalho, ele defendeu a necessidade de o professor buscar novas formas de ensino para despertar o interesse do jovem.

Para ele, o princípio da reciprocidade é uma base importante da ética nas ações educativas e nos obriga a deixar para os que virão um mundo melhor do que encontramos. “Nós até podemos esquecer de pensar nos descendentes, mas eles não nos esquecerão. Uma espécie de compromisso legal, portanto, deveria fixar a responsabilidade de uma geração para com a seguinte”, acrescentou.

Geração Z

Diálogos com os Professores é o nome de um dos módulos do Fronteiras da Educação, que já havia realizado o encontro Diálogos com a Geração Z. É o desdobramento voltado para os educadores. Já no Geração Z, o objetivo é trabalhar com os jovens. No primeiro encontro desse módulo, que aconteceu dia 10 de agosto, cerca de 1.200 alunos da rede pública de ensino de Porto Alegre, municipal e estadual, estiveram presentes, junto a seus professores, para debater cultura, religião, liberdade e como novas formas de acesso ao conhecimento podem ser introduzidas na sala de aula. “Foi possível discutir ateísmo, fé, evolução com nossos alunos adolescentes. O trabalho foi muito feliz. Conseguimos incitá-los a ser mais curiosos, a perguntar mais, e a ter uma outra visão sobre o conhecimento, sobre a internet, como acessar o conteúdo de uma forma diferente”, conta a professora Bosak.

Parceiros

O Fronteiras Educação – Diálogos com Professores é uma parceria do Fronteiras do Pensamento com o Instituto Claro e tem apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e da Prefeitura Municipal de Porto Alegre. A edição 2010 do “Fronteiras do Pensamento – Para compreender o século XXI” é apresentada pela Braskem e tem o patrocínio de Unimed POA, Gerdau, Grupo RBS, Instituto Claro e Refap, apoio cultural da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Anhanguera Educacional e Prefeitura Municipal de Porto Alegre.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

16 jogos de mão para apresentar às crianças na escola

Educadora indica brincadeiras para trabalhar rimas e musicalidade com os alunos

9 canções para ensinar conteúdos de educação ambiental

Letras abordam temas como conservação, mudança climática e intervenção humana na natureza

Como trabalhar Gabriel García Márquez na educação básica?

Obra do escritor colombiano ajuda a abordar realismo mágico e história latino-americana

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.