Embasada por estudos científicos, a Neuropedagogia visa a desenvolver estratégias para potencializar as funções cognitivas do indivíduo, como linguagem, atenção, memória, lógica, raciocínio, habilidades visuais e espaciais. Ela é aplicada a crianças com problemas mais comuns, como dislexia, ou mesmo complexos, como paralisia cerebral. Tecnologias dão apoio ao trabalho neuropedagógico, seja no mapeamento cerebral ou na realização de atividades como RPG e simulações que facilitam o aprendizado. A professora Beatriz Rizek*, que tem se especializado na área, falou ao Instituto Claro sobre o assunto. Confira abaixo, em nosso podcast.

 

 

 

 

 

 

*Beatriz Rizek é pedagoga com habilitação em Administração e Supervisão Escolares e Orientação Educacional. Mestre em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – ECA/USP. Pós-graduada em Psicopedagogia, com Especialização em Psicomotricidade. Pesquisadora da Faculdade de Educação/USP e da Escola do Futuro/USP. Consultora ad hoc em Educação a Distância (EscolaNet), projetos de Inclusão Digital, Responsabilidade Social e Marketing de Causas. Atualmente, cursa pós-graduação em Neuropedagogia.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

13 dicas para criar uma peça de teatro com os alunos

Professores recomendam trabalhar com jogos, improvisações, literatura e música no processo criativo

Como ensinar ginástica na educação física escolar?

Professoras indicam 8 possibilidades para desenvolver com alunos do ensino fundamental

11 formas de acolher o aluno com síndrome de Tourette

Ambiente inclusivo evita que estudantes sofram com bullying e dificuldades de aprendizagem

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.