No ambiente virtual, o Campus Mobile já começou. Os 90 participantes da primeira edição do programa que se estende até agosto estão em contato na plataforma Moodle, trocando informações sobre seus projetos e acessando materiais didáticos relacionados ao desenvolvimento de aplicativos e serviços para dispositivos móveis. Na próxima semana, as atividades serão na Escola Politécnica da USP, em São Paulo. Entre os dias 30 de janeiro e 4 de fevereiro, o Instituto Claro realiza encontros presenciais, em que os jovens talentos assistirão a palestras, participarão de oficinas e apresentarão seus projetos para uma banca formada por especialistas da Claro, do LSI-TEC, da Motorola e da Movile.

 

Estudantes universitários no curso de ciência da computação e ambos com 22 anos, Gislene dos Santos Carvalho, de Uberlândia (MG), e Joab Alves da Silva, de João Pessoa (PB), são dois dos participantes confirmados no encontro. Conectados e um tanto empreendedores e criativos, características que fazem parte do perfil de boa parte dos inscritos no programa, eles já vêm desenvolvendo os projetos que serviram como passaporte para o Campus Mobile. Agora, têm a expectativa de aperfeiçoar seus trabalhos no encontro presencial.

As oficinas, palestras, conversas com tutores e desafios que estão previstos são vistos por Silva como oportunidade para evoluir o sistema que está desenvolvendo e visa facilitar o deslocamento de pessoas com deficiências físicas pelas cidades do Brasil. “A ideia é que as pessoas possam conhecer e compartilhar as melhores rotas antes mesmo de sair de casa”, conta o estudante, que elegeu o mesmo mote para o seu trabalho de conclusão de curso no Unipê (Centro Universitário de João Pessoa).

No Twitter, onde se define como uma “futura cientista da computação fanática por tecnologia e redes sociais”, Gislene mostra seu engajamento em comunidades de desenvolvedores, uma vez que já participa de outros eventos ligados a tecnologia. Nem por isso está menos empolgada para o Campus Mobile. “O que estou achando muito legal neste encontro é que tem muita gente de outras áreas, não apenas de ciência da computação. No [ambiente] Moodle, eu conversei com gente de administração, já pensou?”, comenta a jovem, que está desenvolvendo um aplicativo de rotas e de outras informações turísticas para facilitar a visita de viajantes a países estrangeiros.

Esses e todos os outros projetos serão apresentados no primeiro dia do encontro, após a palestra “O programa Campus Mobile e o Incentivo a Novos Talentos”, comandada pela professora Roseli de Deus. Embora as atividades se concentrem no campus da universidade, terá ainda a participação dos parceiros Motorola e Movile em palestras como “Android e Mundo Mobile” e “Empreendedorismo e inovação no mercado de smartphone”. Fora do Campus, os estudantes têm programada uma visita à fábrica de celulares da Motorola, em Jaguariúna, para assistirem à dinâmica de produção dos aparelhos e participarem de atividades interativas relacionadas ao tema mobilidade.

Leia mais:

Motorola Mobility e Movile reforçam programa Campus Mobile

Desenvolvimento de aplicativos para dispositivos móveis é área promissora para jovens que querem se destacar na carreira e na sociedade

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

13 dicas para criar uma peça de teatro com os alunos

Professores recomendam trabalhar com jogos, improvisações, literatura e música no processo criativo

Como ensinar ginástica na educação física escolar?

Professoras indicam 8 possibilidades para desenvolver com alunos do ensino fundamental

11 formas de acolher o aluno com síndrome de Tourette

Ambiente inclusivo evita que estudantes sofram com bullying e dificuldades de aprendizagem

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.