Foi a passagem do cometa Halley pelo Brasil, em 1986, que despertou o interesse de Junior Silva, o Schwarza, pela astronomia e ciência. Responsável pelo sucesso do canal de vídeos “Poligonautas”, que conta hoje com mais de 117 milhões de visualizações, o rapaz tinha seis anos de idade na ocasião.

“Esse tipo de acontecimento mexe muito com a imaginação de uma criança. Passei a acompanhar notícias sobre o tema. Colecionava revistas e assistia os lançamentos dos ônibus espaciais. No final da minha adolescência, conheci a série ‘Cosmos’, de Carl Sagan, que produziu uma revolução interna em mim”, relembra.

O canal no YouTube surgiu em 2011 abordando, primeiramente, o universo dos games. Certo dia, Schwarza decidiu falar sobre ciências e fez um vídeo trazendo curiosidades sobre o Sol. O feedback foi instantâneo. “Havíamos demorado três anos para bater 100 mil inscritos. Depois disso, consegui 300 mil em um ano. Acredito que ajudei a preencher uma lacuna científica na plataforma “, reflete.

O sucesso da publicação o incentivou a se especializar no assunto. Nos anos seguintes, ele estudou astronomia geral, dinâmica e evolução estelar e reconhecimento do céu na Escola Municipal de Astrofísica Professor Aristóteles Orsini (EMA), além do curso para professores no Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG-USP). “Queria ter propriedade naquilo que me propus a falar”, justifica.

“Astronomia nos ‘tira da caixinha’ e instiga a curiosidade”, afirma o criador do canal de vídeos “Poligonautas”, Schwarza (crédito: divulgação)

 

Mas o que faz esse conteúdo ser tão popular no YouTube? Para ele, o tema envolve outras ciências – como física, engenharia e computação – o que o torna atrativo para diversos tipos de público.

“Para completar, astronomia nos conecta com a nossa origem, tempo e com a percepção do quanto este planeta é frágil perante a vastidão do universo, o que pode gerar uma urgência em preservá-lo”, analisa. “E ela é um autoconhecimento. Parafraseando Carl Sagan, somos a maneira do cosmos conhecer a si mesmo”.

Despertando a criticidade

Por meio do seu canal, Schwarza passou a interagir com professores e alunos. “Docentes de matemática, ciências e história entram em contato. Alguns passam meus vídeos durante suas aulas e os estudantes me mandam imagens disso”, revela.

Já os jovens costumam dizer que o canal influenciou na escolha por uma carreira científica. Para o idealizador do “Poligonautas”, o contato com o tema ajuda a despertar a criticidade nos estudantes.

“Eu acredito que a astronomia nos ‘tira da caixinha’ e instiga a curiosidade. Creio que aprender sobre o método científico e de como a ciência trabalha as incertezas sobre a interpretação dos fenômenos da natureza possa inspirar o amadurecimento de um senso crítico nessa fase de formação”, opina.

Para produzir os vídeos, ele escolhe os assuntos sobre os quais gostaria de assistir se estivesse no lugar da audiência, e fica sintonizado as dúvidas enviadas pelo público.

“Geralmente, eles me mandam questões mais relacionadas às tecnologias usadas para entender o espaço. Por exemplo: ‘Como o telescópio Hubble funciona?’ ou ‘como sabemos a composição de um planeta sem nunca termos estado lá?’. E também tem aquelas questões alimentadas por conspirações, que eu tento desmistificar”, garante.

Schwarza procura agora dialogar com seu público por outras mídias além do YouTube. O primeiro passo foi lançamento do livro “Do átomo ao buraco negro”, que introduz conceitos da astronomia para “fisgar” os leigos. Ele também prepara uma segunda publicação e um documentário.

“A minha ideia é inspirar pessoas a serem mais curiosas em relação à natureza ao nosso redor e resgatar aquela capacidade de se maravilhar com o mundo que tínhamos na infância. Lembrar as pessoas de olhar para o céu e reconectá-las com o cosmos. Mostrar como o espaço pode ser tão fantástico quanto qualquer ficção do cinema e literatura”, finaliza.

Veja mais:
Astronomia é ponto de partida para ensinar matemática, física, química e geografia
Aplicativo gratuito do Observatório Nacional ensina astronomia
Para inspirar – O Clube de Astronomia
Plano de aula – Astronomia: planetas imaginários

Crédito da imagem: Maximusnd – iStock

1 Comentário
mais antigo
mais novo mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Daniel Costa
Daniel Costa
4 anos atrás

Quem veio só ver o nome verdade de Schwarza da Like ?

Talvez Você Também Goste

11 dicas e atividades para aproximar alunos da escola pública do ensino superior

Conheça as dúvidas dos estudantes que afastam a universidade de seu projeto de vida

O que é o tinkering e como pode ser usado por educadores?

Diretores do Tinkering Studio explicam funcionamento da metodologia de aprendizagem “mão na massa”

Quais as diferenças entre alfabetização e letramento?

Especialistas explicam a importância de ambos para leitura e escrita contextualizadas e críticas

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.