Equipe responsável pelo app de educação Help me, um dos premiados
(Crédito: Leonardo Valle)


 
Dois aplicativos de Educação estiveram entre os vinte premiados no The Big Hackathon, promovido pela Campus Party 2017: o Me Help e o Fiscaluno. Enquanto o primeiro visa conectar pessoas dispostas a aprender e a ensinar uma determinada disciplina ou conteúdo escolar, o segundo é uma plataforma para que a população acompanhe a qualidade das instituições educacionais no Brasil – públicas e privadas.
 
O Me Help surgiu a partir da experiência de dois membros da equipe: o designer e CEO David Dias e o programador Lukas Camargo, formados há dois anos no Ensino Médio. David conta que gostava de juntar dinheiro para comprar jogos e ir ao cinema, enquanto Lucas vem de uma família de professores que davam aulas particulares.
 
“Todo mundo é bom em alguma disciplina e a ideia era fazer uma troca: quem é bom em Língua Portuguesa pode ajudar uma pessoa com dificuldades na disciplina em troca de aulas particulares de matemática, por exemplo”, descreve Dias. “Além disso, esse monitor pode também cobrar uma determinada quantia pelo seu serviço, e isso o ajudará a ter uma renda”, acrescenta.
 
Foi durante o Big Hackathon que a equipe de David conseguiu fazer o aplicativo sair do papel. “Foi uma boa experiência porque tivemos contato com mentores que nos ajudaram a criar metas e a fazer o aplicativo acontecer de forma eficaz”, afirma. “ Agora estamos nos reunindo novamente para aperfeiçoar as interfaces. O objetivo é colocar o app para testes em dois meses”, adianta. 
 
Educação de qualidade
Já no aplicativo Fiscaluno, os alunos ou seus pais se cadastram e respondem um questionário inicial para classificar a sua escola. Eles podem, ainda, listar os principais pontos positivos e negativos e consultar a nota geral de todas as escolas, assim como as últimas avaliações das instituições.
 
“Possibilitamos também que os gestores possam visualizar um dashboard (painel) que auxilia a tomada de decisão para a resolução dos problemas apontados. Além disso, dá para criar crowdfundings para financiar os problemas mais críticos apontados pelos alunos”, explica Wilder Pereira, um dos idealizadores do Fiscaluno.
 
“O objetivo é empoderar os alunos e pais, de forma a dar voz para aqueles que realmente são afetados pelas alterações ou problemas do dia a dia nas escolas”, defende Wilder.
 
A intenção dos criadores é que o aplicativo seja gratuito para os pais e alunos. “Agora estamos trabalhando para colocar o aplicativo em produção, primeiro para Android e depois para iOS”, revela
 
Todos por um
O Hackathon é um evento que reúne programadores, designers e profissionais de outras áreas para desenvolver um software que atenda a um objetivo específico. Durante a Campus Party deste ano, os participantes tiveram 100 horas para elaborar uma solução tecnológica alinhada aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) propostos pela União das Nações Unidas (ONU) – entre eles, educação.
 
Tanto para Wilder como para Dias, o grande benefício do Hackathon é justamente possibilitar que pessoas de diferentes áreas pensem juntas soluções para o mesmo problema. “Especificamente na questão da educação, as plataformas digitais transformam alunos em professores e vice-versa. Permitem que a educação seja transversal e que todos ganhem com isso”, defende Pereira.
 
Veja mais: 
 
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Como ensinar ginástica na educação física escolar?

Professoras indicam 8 possibilidades para desenvolver com alunos do ensino fundamental

11 formas de acolher o aluno com síndrome de Tourette

Ambiente inclusivo evita que estudantes sofram com bullying e dificuldades de aprendizagem

16 jogos de mão para apresentar às crianças na escola

Educadora indica brincadeiras para trabalhar rimas e musicalidade com os alunos

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.