A roda de capoeira pode ainda causar estranheza quando aparece nas aulas de educação física, mas não deveria ser assim. A capoeira é considerada um patrimônio da humanidade e foi criada em um contexto social e histórico tipicamente brasileiro. Na escola, ela é um convite para valorizar a cultura afrodescendente e, por tabela, desenvolver habilidades físicas e motoras.
 
Apesar de suscitar um amplo espectro de possibilidades pedagógicas, a prática da capoeira em ambiente escolar enfrenta resistencias pautadas, principalmente, no preconceito.“Ainda há dificuldade de aceitação devido à formação de professores de educação física voltados apenas aos esportes tradicionais e ao preconceito contra manifestações culturais de matriz africana. Contudo, essas dificuldades podem se tornar disparadoras para a formação de alunos críticos e conhecedores de sua própria cultura e história”, aponta o também professor de Educação Física Marcos Santos Mourão, o Marcola, professor da Escola da Vila, em São Paulo. 
 
Ao ensinar capoeira em suas aulas, a professora da EMEF Mário Fittipladi (São Paulo), Cássia Czeszak, utiliza vídeos como Maré Capoeira e textos para situar os alunos historicamente. “Na sequência, eles experimentam os gestos (golpes) em duplas e ouvem as ladainhas, que são as músicas cantadas em roda. Eu ainda trago instrumentos como berimbau, agogô e pandeiro para, então, partimos para a roda”, descreve. 
  
Confira, a seguir, 7 benefícios de ensinar a capoeira nas aulas de Educação Física. 
 
1. É um exercício abrangente 
A capoeira trabalha a força, ao exigir a sustentação do próprio corpo. Além disso, desenvolve flexibilidade – devido à amplitude dos movimentos – e resistências muscular e cardiorrespiratória. “Os golpes e as acrobacias estimulam o equilíbrio, o controle do próprio corpo e o ritmo, que são fundamentais para uma boa coordenação motora”, assinala Marcola.  
 
2. Promove o sentimento de parceria
Do ponto de vista social e afetivo, a prática da capoeira pode promover a interação e  integração do aluno no contexto de grupo, de roda e de parceria com os colegas. 
 
3. É indicada para todos os níveis de ensino
As aulas de capoeira na Educação Infantil devem focar a motricidade básica (como arrastar, quadrupediar e apoiar)  e a ludicidade, presente nas brincadeiras e músicas. Com as crianças do ensino fundamental, é possível enfatizar a regra, o jogo e a roda. Com os alunos maiores, a questão da cultura, da história, as discussões e o jogo são aspectos  importantes. 
 
4. Dialoga com as aulas de História
Os escravos brasileiros usavam a capoeira  como uma forma de defesa corporal, já que não podiam portar armas. “Na Era Getúlio, uma proposta populista do presidente descriminalizou a capoeira. Até então, seus praticantes eram presos –  daí o termo ‘vadiagem’”, ensina a professora Cássia Czeszak. 
 
5. Relaciona-se com as Artes
Instrumentos musicais, ritmo e canto estão presentes na roda de capoeira. “As rimas podem ser observadas nas ladainhas”, sugere Cássia. Vale ainda resgatar as obras de pintores e desenhistas como Jean Baptista Debret e Carybé, que registraram a prática. 
 
6. É matéria-prima para as aulas de Geografia 
É possível localizar geograficamente a manifestação da capoeira no Brasil – como nos quilombos da Serra da Barriga (AL), por exemplo. O continente africano e o trajeto dos navios negreiros são outros temas a serem explorados. A aula de  Educação Física pode, assim, disparar propostas também para a disciplina de Geografia, permitindo também esta possibilidade interdisciplinar.
 
7. Valoriza a cultura afrobrasileira 
A lei nº 10.639, artigo 26, tornou obrigatório o ensino da história e da cultura afrobrasileira no currículo escolar. A aprendizagem da capoeira aborda aspectos históricos e culturais importantes e ainda é pode ser um instrumento para debater  etnia, preconceito e racismo. 
 
                  
 
 
(Os alunos da EMEF Mário Fittipladi, de São Paulo, durante uma aula de capoeira da professora Cássia Czeszak)
 
Veja mais: 
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Conheça 9 dinâmicas para ensinar matemática a aluno com TDAH

Atividades lúdicas aliadas a conteúdos curriculares ajudam a trabalhar atenção e memória

Dissecação de flores ajuda a abordar angiospermas nas aulas de biologia

Atividade permite ao aluno identificar cada parte da planta e sua função na reprodução

Confira 11 orientações para ensinar educação musical a alunos surdos

Professores podem desenvolver atividades que explorem a vibração do som com toda a turma

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.