Usada nas redes sociais, a hashtag é uma palavra ou frase escrita sem espaço após o símbolo de cerquilha (#), o que a torna um link que indexa [organiza em forma de índice] conteúdos. Ela tem o objetivo de identificar mensagens relacionadas a um tema específico. Por exemplo, #educação organiza, no Twitter, Facebook ou Instagram, textos, vídeos e imagens marcados nessa categoria. Dessa forma, ao usar a # em uma palavra, o professor pode acessar diversas informações sobre aquela temática e entrar em contato com qualquer pessoa no planeta que compartilhe do interesse pelo mesmo assunto.

“O uso das # nas redes sociais não é feito de forma intencional por maior parte dos educadores. Mas é importante que eles entendam o poder das conexões que elas podem trazer para o seu repertório pedagógico”, destaca a coordenadora de ciências no Colégio Marista de Brasília e mestre no ensino de física pela Universidade de Brasília (UnB), Samara Brito.

Ela organizou sete dicas sobre a utilização de hashtags como recurso pedagógico, seja para organizar conteúdos, divulgar produções dos alunos ou pesquisar temas. Confira!

Encontre novas práticas

Ao usar a # nas buscas das redes sociais, é possível pesquisar sobre novas práticas pedagógicas e se conectar com professores referência do mundo inteiro. “Por exemplo, se eu estiver em busca de uma nova forma de ensinar física eu posso encontrar um bom conteúdo no Twitter apenas pesquisando por #physicsclassroom”, exemplifica.

Organize conteúdos no mundo virtual

O professor que faz uma atividade com seus alunos pode pedir que eles compartilhem nas redes sociais usando uma # específica para o projeto. Dessa forma, ele pode agregar todo o conteúdo e acessar quando quiser.

“Por exemplo, pode usar uma hashtag por classe na atividade, e uma geral para agrupar todas as classes que fizeram a mesma atividade. Ou uma hashtag por ano, caso ele aplique a mesma atividade em anos diferentes”, diz.

“Como eu tenho muitas turmas, eu sempre escolho uma # que identifique a turma também. E sempre coloco uma # que esteja relacionada ao tema da aula ou projeto”, revela a docente.

Fonte de informação para alunos

As hashtags também podem ajudar os alunos a encontrarem conteúdos informativos para um debate em sala de aula, por exemplo. “O professor pode pedir que os alunos pesquisem uma # em alta e escolham três tuítes de referências sobre o tema para discutirem em sala”, recomenda.

Elas também organizam as informações postadas pelo docente como se fosse um álbum virtual. Isso pode ajudar os estudantes na hora de revisar o conteúdo ensinado. 

Pesquise a hashtag antes de utilizá-la

“Esse passo é importante para não correr o risco de se deparar com conteúdo impróprio para a faixa etária que vai trabalhar”, orienta a professora.

Divulgação de menores exige autorização

A hashtag pode ser usada para divulgar o trabalho dos alunos para um público além da comunidade escolar. Contudo, é preciso lembrar, que não é permitido compartilhar imagens dos menores de idade nas redes sociais sem autorização dos pais. “Dessa forma, sugiro aos professores que divulguem apenas fotos com o conteúdo do projeto”, indica Brito.

Evite termos “da moda”

É preciso ter cuidado ao que você vincula seu conteúdo. “Eu não sugiro termos da moda, porque eles podem acabar misturando conteúdo de qualidade com conteúdo ruim”, justifica a professora.

Cuidado com o significado do termo escolhido

É preciso estar atento para que a sua publicação não caia nos filtros de conteúdo explícito ou ainda que seja mal interpretada. “Atente-se às possíveis interpretações dos termos que irá usar. O exemplo mais famoso é o #sextou, no Brasil, que em inglês parece ‘sex to you’.”

Crédito da imagem: Guzaliia Filimonova – iStock

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

9 dicas para melhorar a gestão do tempo do professor no home office

Excesso de atividades e dúvidas de alunos fora do expediente são problemas comuns

Aula remota de educação física: 7 dicas para interagir melhor com os alunos

Criador de blog sobre o tema compartilha experiências bem-sucedidas durante isolamento social

“O homem que calculava”, de Malba Tahan, ensina matemática de forma lúdica

“Mesmo problema pode ser abordado com diferentes profundidades”, explica Fernando Barnabé

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.