O Google Maps é um recurso simples, que pode ser acessado via smartphone, tablet e desktop e que conecta o usuário com qualquer endereço do mundo. O programa oferece três tipos de visualização: “mapa”, “satélite” e “earth”.

Na opção “mapa”, a área pesquisada é apresentada por meio de um mapa rodoviário, no qual as escalas podem ser modificadas usando o recurso zoom. Em “satélite”, é possível acessar fotos e imagens tiradas a partir desta tecnologia. Por fim, o Google Earth apresenta um modelo tridimensional do globo terrestre.

Nas aulas de geografia, o Google Maps pode ajudar o aluno a entender a organização do espaço em países, municípios e ruas. Já nas aulas de história, os estudantes podem conhecer pontos históricos e entender a transformação dos lugares ao longo do tempo. Confira, a seguir, seis links que apresentam formas de usar essa tecnologia em sala de aula.

Artigo – O uso do Google Maps na sala de aula
Atividade vinculada ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) na disciplina de história da Escola Estadual de Ensino Médio Santa Cruz, em Santa Cruz do Sul (RS). Os alunos do primeiro ano do ensino médio tiveram uma aula expositiva sobre o Egito e, na sequência, usaram o Google Maps para fazer um tour pela cidade do Cairo e pelas pirâmides de Gizé.

Vídeo – Tecnologias educacionais em debate – Google Maps na sala de aula
A série de vídeo Escola Interativa é uma iniciativa da Secretaria de Educação do Estado do Paraná sobre tecnologias educacionais. O quinto episódio abordou a importância da inserção da tecnologia na educação e como o Google Maps pode contribuir para o ensino e o aprendizado dos alunos. Os entrevistados foram as professoras Adriane Dall´acqua de Oliveira, Ana Beatriz Gomes Carvalho e Silvana Gogolla de Mattos.

Reportagem – Professor de geografia utiliza o entorno da escola para criar mapas colaborativos
O professor de geografia da escola municipal de ensino fundamental Padre Chico Falconi, em São Paulo (SP), Wellington Fernandes, propôs a criação de mapas colaborativos, realizados a partir de incursões pelo bairro onde a escola está localizada. Os estudantes colheram fotos e vídeos do bairro e utilizaram o Google Maps para criar um mapa virtual. O material audiovisual foi anexado nos respectivos pontos do mapa.

Plano de aula – O uso de Google Maps com Street View
Conteúdo desenvolvido pelos professores Gicélia Mendes e Luis Carlos Sousa Silva para usar o Google Maps com Street View (fotos da rua) no ensino da cartografia, na disciplina de geografia. O recurso permite explorar lugares por meio de imagens a 360°C no nível da rua.

Artigo – A utilização dos aplicativos Google Maps e Google Earth no ensino de geografia: múltiplas possibilidades
O artigo analisa a utilização dos aplicativos no ensino de geografia e sugere propostas de atividades a serem trabalhadas na disciplina, no ensino médio, com o apoio dessas tecnologias. A primeira sugestão é de trabalhar o lugar no espaço geográfico regional e mundial, utilizando assim as diferentes escalas geográficas, explorando as imagens de satélites fornecidas pelo Google Earth. A segunda proposta é de explorar os aspectos topográficos e geomorfológicos de dada área no espaço geográfico, a exemplo do relevo e vegetação. 

Artigo – Ensino de história no ensino médio com o uso do Google Maps e Google Earth: uma aprendizagem possível?
Para a historiadora e professora Simone Fernanda Neu, o uso do Google Maps torna a cartografia e a interpretação de mapas antigos parte do cotidiano de aluno da rede pública. “Durante as aulas de história, mostre os contornos atuais do Império Romano. Outra alternativa é integrar arquivos digitais de imagens de mapas antigos ao modelo de globo terrestre do Google Earth por meio da ferramenta de sobreposição de imagens”, ensina.

Crédito da imagem: print Google Maps

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Estimular criatividade e respeitar singularidades dos alunos são ganhos da esquizoanálise na educação

“Abordagem previne conflitos ao propor relações horizontais”, explica Francisco Estácio Neto

‘O adolescente se relaciona mais com a literatura que o adulto’, acredita Luisa Geisler

Autora vê medo de escrever começar nessa fase e indica oficinas de escrita criativa

Transformar texto oral em escrito combate preconceitos linguísticos de estudantes

Alunos registraram contos da cultura ribeirinha em projeto desenvolvido na rede pública de Eirunepé (AM)

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.