Aluno do 2º ano do ensino médio do Colégio Dante Alighieri, de São Paulo (SP), Pedro Luz, de 16 anos, sempre teve facilidade para tirar as dúvidas de seus colegas de classe – principalmente durante o período de provas.  No começo de 2015, ele percebeu que, mesmo se esforçando, não conseguiria ajudar a todos que recorriam a ele. “As dúvidas eram muitas e sobre diversos temas”, relembra. Foi quando Pedro decidiu se juntar aos amigos João Magnani e Arthur Brazão e fundar o canal de Youtube “Pedro Ensina”, onde ministra conteúdos de física, química e filosofia.

“A ideia do canal surgiu como uma forma de atender a essa demanda. Nós buscávamos, com isso, aumentar a abrangência das explicações, pois não só um vídeo pode ser acessado por qualquer um e em qualquer lugar, como também ele fica disponível no futuro para quem quiser rever a matéria. Ou mesmo para alunos mais novos, que ainda aprenderão aquilo na escola”, assinala o rapaz.

O trio começou focando as aulas nos próprios colegas de sala e no restante do colégio. “A diferença é justamente que somos alunos também. Por isso, temos um contato bem maior com outros estudantes, conseguindo identificar mais facilmente quais são as dúvidas comuns, para buscar outras maneiras de explicar o conteúdo, sob o ponto de vista dos alunos”, conta. Os jovens se surpreenderam, contudo, quando passaram a receber mensagens e comentários de estudantes de todo o Brasil. “Foi uma surpresa receber a primeira mensagem de um menino que nem conhecíamos nos parabenizando e dando sugestões. Os comentários de alunos de outras escolas nos deram um incentivo a mais para continuar com os vídeos”, relata.

Sucesso na rede

As aulas de filosofia são as mais acessadas do canal “Pedro Ensina”. “O formato com que apresentamos esse conteúdo específico na internet ainda é pouco explorado por outros produtores de videoaulas”, justifica Pedro.

Contudo, Pedro conta que prefere ensinar química e física. “Provavelmente por ter facilidade nesses assuntos. Mas também fazemos vídeos de filosofia, porque gosto muito das reflexões que essa matéria requer”, garante.

Além dos alunos, professores também estão entre os comentaristas das aulas. “Eles sempre têm alguma dica para dar em relação à produção ou à didática. Esse apoio dos docentes tem sido muito importante para nós”, pontua.

Para o futuro, Pedro pretende cursar engenharia e ser professor. “Os vídeos auxiliam, e muito, a alcançar esse objetivo, já que me ajudaram a desenvolver várias habilidades didáticas, como o preparo das aulas, a desenvoltura na fala e a busca por novas formas de explicar”, revela.

Veja mais:
YouTube EDU: professor conta como funcionam as aulas em vídeo
– 7 dicas para transformar as redes sociais
– Física: reduzir a velocidade máxima aumenta velocidade média no trânsito
– Educação e redes sociais estão cada vez mais conectadas

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Notícias

Cursos online vieram para ficar, aponta especialista

Professor da USP esclarece aprendizado pela internet

há 9 anos
Notícias

7 sites de pesquisa acadêmica para apresentar aos alunos

Plataformas ajudam estudantes a utilizarem a web para a construção do conhecimento científico

há 3 anos
Notícias

Guia ensina professores sobre uso responsável da internet dentro e fora da sala de aula

Publicação explica sobre exposição na internet, danos de imagem e liberdade de expressão

há 4 anos
Notícias

Cresce o número de crianças e jovens que acessam a internet para lerem notícias, aponta pesquisa

TIC Kids Online mostrou aumento de 34% para 51%, entre levantamentos de 2013 e 2018

há 4 anos

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.