A nova lei antidrogas brasileira foi sancionada em 5 de junho de 2019 trazendo como mudanças o incentivo à internações para tratamento contra a vontade do usuário (internações compulsórias) e às comunidades terapêuticas, “clínicas” religiosas que focam na abstinência e no isolamento do dependente. Vinte e oito dessas alterações foram alvo do Ministério Público Federal, em 2018, por violações como privação de liberdade, tortura e trabalhos forçados.

Além disso, a nova legislação não alterou o artigo 28 da Lei 11.343/2006, que considera crime o porte de drogas para uso pessoal. O Supremo Tribunal Federal (STF) analisa a inconstitucionalidade da medida, sem prazo definido para votar a pauta.

As diretrizes brasileiras, contudo, são opostas às praticadas por Portugal desde 2000, quando entrou em vigor a “Estratégia Nacional de Luta Contra as Drogas”. O programa visava acabar com a epidemia de usuários de heroína no país, que crescia desde a década de 1980, gerando criminalidade, mortes por overdose e crescimento de contaminações por HIV.

Um dos seus idealizadores foi o médico João Goulão. Ele conta que a repressão e a censura da ditadura salazariana (1933-1974) postergaram a chegada das drogas no país.

“Ao mesmo tempo, ocorria a Guerra pela Libertação das Colônias (Angola, Guiné-Bissau e Moçambique, entre 1961 e 1964) onde o uso de substâncias ilícitas pelos soldados era alto e, muitas vezes, estimulado. Com o retorno dessas tropas e uma população não educada para lidar com as drogas, o consumo de substâncias como a heroína explodiu”, contextualiza.

Problema de saúde

Segundo o especialista, a taxa de viciados em heroína atingiu 100 mil pessoas e matava, anualmente, 360 pessoas por overdose.

“O problema era transversal e afetava todas as classes sociais, apesar de ser mais acentuado nas populações vulneráveis. Era impossível encontrar uma família portuguesa que não enfrentasse a questão dentro de casa”, diz.

O que seria um desafio acabou sensibilizando a sociedade. “As pessoas perceberam que o problema não era com o filho do outro, mas com o seu. Isso mostrou que não se tratava de uma questão criminal, mas de saúde e que necessitava de uma abordagem humanizada.”

Confira outros conteúdos do portal sobre a nova lei antidrogas brasileira:
Quais são os possíveis impactos da nova lei antidrogas?
Nova lei antidrogas: as comunidades terapêuticas e a política de guerra às drogas

Centros de referência para incluir os usuários no sistema de saúde foram criados, assim como programas de redução de danos (RD), importantes no fortalecimento de vínculo dos médicos e assistentes sociais com o doente. Ao contrário de pregar a abstinência total, tal modalidade possibilita o consumo de drogas com supervisão médica, materiais descartáveis e em ambientes seguros. Além disso, a heroína pode ser substituída por outras substâncias.

“Questão das drogas é um problema de saúde e necessita de uma abordagem humanizada”, diz João Goulão (crédito: arquivo pessoal)

“Clínicas particulares foram regularizados a partir das mesmas normas nacionais dos centros públicos. Assim, passaram a integrar um mesmo sistema”, reforça.

Outro ponto importante foi que os dependentes deixaram de ser tratados como criminosos pela polícia. A quantidade permitida para posse de droga por usuário era referente a 10 dias de consumo, regularizada por tabelas.

“Ou seja, é proibido usar drogas, mas não um crime. Se o usuário autuado fizer uso recreativo, ele será esclarecido. Se já for um dependente químico, será tratado.”

Para completar, a internação compulsória também não é praticada. “É preciso estimular a motivação do usuário para se tratar”, contrapõe.

Como resultado, a quantidade de usuários caiu para 50 mil, sendo 30 mil em tratamento nos dias de hoje. “O sistema foi expandido para outras dependências, como álcool e jogos”, comemora Goulão.

Criminalização em discussão

A Alemanha sofreu os mesmos problemas que Portugal no final da década de 80 em relação à heroína. A região do parque de Taunusanlage, em Frankfurt, chegou a concentrar 1,5 mil dependentes. Assim como os portugueses, a RD e a inclusão dos usuários no sistema de saúde ajudaram a extinguir o local.

Para Dirk Schäffer, não faz sentido tentar tratar pessoas se isso não é do seu livre arbítrio (crédito: arquivo pessoal)

“Hoje, temos um sistema bom, com salas de consumo de drogas no país para tratamento de substituição [quando ela é substituída por outra substância]. Dependentes químicos que antes morriam aos 40 anos chegam aos 70”, descreve o assessor para drogas e sistema penal da organização de combate à aids, Deutsche Aids-Hilfe (DAH), Dirk Schäffer.

A Alemanha possui hoje 80 mil usuários de drogas tratados por substituição da substância. “É a metade dos dependentes”, explica o especialista. A descriminalização do porte, contudo, ainda é discutida pela sociedade.

“Penso que a criminalização fracassou. As detenções aumentaram de 250 mil para 350 mil nos últimos cinco anos, assim como as mortes de dependentes. Presos, eles continuam com o vício nas casas de detenção”, detalha Schäffer. “Nosso objetivo é que o atual governo olhe detalhadamente para o modelo português e altere isso”, vislumbra.

Novas drogas também surgiram no cenário alemão nos últimos anos, como anfetaminas, MDMA e crystal meth. A maioria vinculadas à vida noturna.

“Seus usuários não se enxergam como dependentes químicos e não procuram os serviços de saúde. Por isso, estamos investindo em postos de informação em festivais, clubes e bares”.

Assim como no Brasil, o crack também é comum e tratado por meio da redução de danos.

“A lei dá a opção de escolha do usuário seguir para tratamento ao invés da cadeia. Alguns usuários fazem essa escolha, mas agora com terapias de substituição, não é mais tão comum”, explica.

“Na minha visão, não faz sentido tentar tratar pessoas se isso não é do seu livre arbítrio”, opina.

Humanização do dependente

Transpor os modelos para o Brasil, contudo, esbarra em questões sociais e culturais. Goulão – que desde os anos 90 visita projetos no país – vê dificuldades em humanizar o usuário e de enxergá-lo como doente.

“No Brasil, as drogas são mais visíveis nas camadas mais pobres. A pobreza, por sua vez, já é criminalizada. Isso incentiva o discurso de que o dependente é responsável e merece ser punido”, analisa.

Outro ponto destacado é a necessidade de normas de conduta para todas as comunidades terapêuticas, incluindo contarem com um número mínimo de profissionais de saúde capacitados.

“Caso contrário, correm o risco de se tornarem apenas fábricas de ideologia religiosa”, alerta.

Talvez Você Também Goste

Refugiados que aguardam revalidação do diploma sonham com futuro digno

“Exercer profissão resgata identidade perdida e traz segurança financeira”, explica advogada Camila Tardin

Qual a importância da OMS? Especialista em direito sanitário explica

“O que ocorre no plano global precisa ser enfrentado nesse nível [internacional]”, destaca Deisy Ventura

Como manter as conquistas ambientais vivenciadas na quarentena?

Pandemia foi marcada por redução na poluição e queda do consumismo

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.