Leonardo Valle

Diminuir em 25% a desigualdade de gênero no mercado injetaria R$ 382 bilhões na economia brasileira até 2025, segundo projeções da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Pois das áreas de atuação em que as mulheres ainda estão sub-representadas, destaques negativos são ciências, tecnologia, engenharia e matemática (STEM, na sigla em inglês).

“É um problema antes de tudo econômico. Se metade da população mundial é composta por mulheres e elas estão sendo deixadas de lado, temos uma geração que ficará à margem”, adverte a idealizadora do projeto Mulheres na Computação, Camila Achutti. Para fomentar mais mulheres em STEM, é preciso começar um trabalho desde cedo. “Não adianta as empresas quererem 50% das vagas de tecnologia para mulheres hoje, se essas profissionais não estão sendo formadas. Há turmas apenas com uma garota”, assinala Achutti.

Plantar para colher

Visando melhorar esse quadro, a diretora na DXC Technology, Cláudia Braga, direcionou o projeto Aprendiz apenas para meninas de 16 a 18 anos, vindas de escolas públicas e de famílias de baixa renda. O objetivo é que elas vivenciem a tecnologia na prática. “Elas chegam sem saber nada sobre a área e a nossa tarefa é encantá-las. Além disso, cada uma delas também influencia as amigas, família e pessoas à sua volta”, comemora.

Cada aprendiz é “apadrinhada” por um profissional da empresa, que acompanha o seu desenvolvimento e dúvidas. “Houve casos em que pais queriam descontinuá-las do programa por considerarem a tecnologia um ambiente ‘para macho’ ou por medo de elas se tornarem lésbicas. O acompanhamento próximo ajuda na retenção”.

Já selecionar e patrocinar talentos femininos nas faculdades de STEM foram as iniciativas da diretora comercial América Latina da GE, Lívia Silva. Além disso, a empresa desenvolveu uma maior preocupação com a retenção das carreiras femininas. “Estamos elaborando o piloto de um programa voltado para mulheres que abandonaram a carreira por conta da maternidade ou outros problemas pessoais. Seis anos depois do afastamento, elas encontram dificuldades de reinserção no mercado de trabalho”, relata. “Atraí-las novamente é um ganho, pois são profissionais competentes, com garra e que precisam apenas de uma oportunidade”, decreta.

Cuidados educativos

Para a professora do Insper, Regina Madalozzo, o principal fator de afastamento é cultural e se inicia ainda na escola. “Estudos mostram que, após os sete anos, as próprias crianças classificam os meninos como espertos e as meninas como legais. Inconscientemente, isso vai influenciando nas ambições profissionais das mulheres ao longo dos anos”, relembra.

“Quando eu era pequena, meu pai levava os meninos para ver como o motor do carro funcionava e eu e minhas irmãs ficávamos descascando batatas. Ou seja, as mulheres são condicionadas a não ocupar esses espaços e a não desenvolver habilidades tecnológicas na infância”, denuncia Achutti.

Atrair mulheres que nunca pensaram em tecnologia para a área de programação é um dos objetivos de Camila Achutti. Para isso, ela desenvolveu um olhar minucioso para os materiais pedagógicos e peças de comunicação dos cursos que promove. “Na minha primeira aula de algoritmo, durante a faculdade, o exemplo utilizado pelo professor foi um jogo de pôquer – algo totalmente fora da minha realidade. A partir daí, vi a importância de conteúdos didáticos que não afastem as mulheres”, justifica. “Reforçamos nos títulos, por exemplo, que ela não precisa realmente saber nada de programação para dar o primeiro passo. Para completar, temos cuidados com os pronomes femininos. Como, por exemplo, escrever ‘encontre o seu ou a sua CTO [diretor de tecnologia]’, ao invés de usar apenas no masculino”, finaliza.

*As falas das entrevistadas foram retiradas do Painel “Mulheres em STEM”, do Fórum Mulheres em Destaque, ocorrido no dia 30 de novembro de 2017.

Talvez Você Também Goste

Descubra 14 direitos do inquilino

Lei do Inquilinato é a principal referência para os contratos de aluguel de imóveis

O que é ser gênero fluido?

Veja 11 perguntas respondidas por quem se reconhece nessa identidade

Descubra 6 direitos da pessoa com diabetes

Pacientes têm medicamento gratuito pelo SUS e não podem ser discriminados na contratação de plano de saúde

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.