Leonardo Valle

Se no passado as notícias falsas se espalhavam pela internet por meio de e-mails, hoje, o uso de redes sociais e aplicativos de mensagens fazem com que os boatos sejam compartilhados de forma massificada e alcancem um número maior de usuários. Por esse motivo, o Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil (CERT.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) disponibilizou online um fascículo dedicado ao tema.

A publicação é gratuita e tem como objetivo atualizar informações publicadas, anteriormente, na Cartilha de Segurança para Internet da instituição. “A expansão do acesso à internet, naturalmente, gerou um maior alcance de boatos. A partir disso, notamos a necessidade de detalhar os problemas causados pelo compartilhamento de mensagens falsas, como identificá-las e combatê-las”, assinala a gerente do CERT.br, Cristine Hoepers.

No início, os boatos eram conhecidos como hoaxes. Há também os boatos popularmente conhecidos como “corrente”, e agora, as fake news, termo geralmente associado a notícias que tentam se passar por reportagens jornalísticas verdadeiras e que possuem conteúdo falso, impreciso ou distorcido. Além disso, a publicação alerta para as consequências legais de repassar um conteúdo falso.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Notícias

6 filmes para entender o fenômeno das fake news nas eleições

Produções explicam mecanismos e motivações da disseminação e seu efeito na democracia

há 1 ano
Notícias

Manual da USP explica estrutura das fake news sobre coronavírus

Publicação também lista 24 notícias falsas popularmente compartilhadas em redes como WhatsApp e Facebook

há 1 ano
Notícias

Plataforma da USP faz checagem científica de fake news sobre coronavírus

Projeto também conta com espaço para enviar dúvidas sobre infecção, tratamento e prevenção da doença

há 2 anos
Notícias

Maioria das fake news sobre coronavírus é difundida por WhatsApp, aponta pesquisa

ENSP/Fiocruz analisou denúncias e notícias falsas recebidas pelo aplicativo “Eu Fiscalizo”

há 2 anos

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.