Conteúdos

Este roteiro de estudos analisa detalhadamente uma das 22 redações que receberam a nota máxima na edição 2021 do ENEM – Exame Nacional do Ensino Médio.

● A proposta de redação do ENEM 2021;
● Redação nota 1000;
● Analisando a estrutura da redação: introdução, desenvolvimento e conclusão; e
● Competências avaliadas – análise detalhada.

Objetivos

● Compreender os aspectos que contribuem para que uma redação do ENEM seja bem avaliada; e
● Desenvolver uma metodologia para verificar a adequação da sua redação às competências avaliadas pelo ENEM.

Estude também:

Estudar em casa: temas de redação do Enem de 2000 a 2021

Estudar em casa: aprenda a incluir referências na redação

Palavras-chave:

Língua portuguesa. Redação. ENEM 2021. Redação nota 1000. Competências.

Proposta de estudo:

Este roteiro traz uma das redações que recebeu nota máxima no ENEM 2021, acompanhada de uma análise detalhada, que te ajudará a avaliar suas próprias construções textuais, aprimorando-as.

Bons estudos!

1ª Etapa: A proposta de redação do ENEM 2021

Para que possamos analisar uma produção textual, é necessário que, antes de mais nada, tenhamos conhecimento do que foi solicitado. Vejamos, portanto, a proposta da redação do ENEM 2021:

Disponível em: Inep. Acesso em 22 de outubro de 2022 (crédito: reprodução)

2ª Etapa: Redação nota 1000

Considerando os textos motivadores e a proposta de redação acima, que traz o tema “Invisibilidade e registro civil: garantia de acesso à cidadania no Brasil”, vamos agora ler uma das 22 redações que receberam nota máxima no ENEM 2021, de autoria de Daiane Souza da Costa.

Espelho disponível em: Guia do estudante. Acesso em 23 de outubro de 2022. (crédito: reprodução)

Transcrição:

“A obra modernista “Vidas Secas”, produzida por Graciliano Ramos, retrata a história de vulnerabilidade socioeconômica enfrentada por Fabiano e seus dois filhos; os quais eram chamados por seu pai de filho mais novo e mais velho, não possuindo seus nomes registrados durante o desenvolvimento do enredo. Ao sair do campo literário e fazer uma análise da atual conjuntura brasileira, nota-se ainda a invisibilidade associada ao acesso das pessoas ao registro civil, visto que tal problema é negligenciado por diversos segmentos sociais e políticos. A partir desse contexto é fundamental entender o que motiva essa situação irregular de documentação e o principal impacto para a sociedade, a fim de que o acesso à cidadania seja eficiente.

Diante desse cenário, percebe-se que a invisibilidade acerca da questão do registro civil é motivada pela falta de uma política pública eficaz que regularize essa problemática. Isso ocorre, principalmente, porque, como já mencionado nos estudos da antropóloga Lilia Schwarcz, há a prática de uma política de eufemismos no Brasil, ou seja, determinados problemas tendem a ser suavizados e não recebem a visibilidade necessária. Sob essa ótica, é perceptível que o reduzido debate sobre a importância da certidão de nascimento e de outros documentos, bem como a baixa presença de estratégias para facilitar o acesso a pessoas de baixa renda dificultam a mudança dessa situação preocupante. Desse modo, enquanto a desinformação e a assistência precária se mantiverem, a procura pelo registro de nascimento será reduzida.

Outrossim, convém pontuar que o principal efeito negativo disso é o afastamento desses grupos não registrados dos espaços públicos, em especial da escola e do mercado de trabalho. Tal situação é discutida no livro “A cidadania no Brasil: O longo caminho”, do historiador José Murilo de Carvalho, ao sustentar que a desigualdade social impede a construção de uma sociedade mais justa e equitativa. Ao seguir essa linha de pensamento, à medida que o indivíduo não tem seus documentos regularizados, a possibilidade de inclusão no meio escolar e no laboral diminui, uma vez que tais papéis são pré-requisitos para se matricular e ser, posteriormente, contratado por uma empresa. A título de exemplo, o Brasil é o 4º país mais desigual do mundo, conforme o IBGE. Dessa maneira, observa-se como esse problema promove vulnerabilidade.

Portanto, a invisibilidade associada ao registro civil no Brasil precisa ser revertida. Para isso, é fulcral que o Poder Executivo Federal, mais especificamente o ministério da cidadania, estimule ações estratégicas para ampliar o número de pessoas registradas oficialmente, principalmente nas comunidades pobres. Essa iniciativa ocorrerá por meio da implantação de um “Projeto Nacional de Incentivo à Formalização da Documentação Pessoal”, o qual irá contar tanto com palestras nas escolas e nas redes sociais quanto com o aumento do envio de assistentes sociais para verificar a situação do registro nas residências. Isso será feito a fim de conter o impacto desse problema e aumentar a cidadania. Afinal, casos como o do livro “Vidas Secas” precisam ser reduzidos.”

3ª Etapa: Analisando a estrutura da redação: introdução, desenvolvimento e conclusão

Depois de ler a redação acima, a que foi atribuída nota 1000 no ENEM 2021, vamos olhar juntos para as questões estruturais do texto:

a) Introdução

No primeiro parágrafo, a autora do texto cumpriu as duas funções essenciais da introdução da redação do ENEM: em primeiro lugar, foi feita uma contextualização do tema, inclusive com a utilização de uma referência trazida da Literatura (Vidas Secas, de Graciliano Ramos) para ilustrar e, de certa forma, humanizar a discussão, aproximando o leitor do problema e não deixando dúvidas de que o assunto abordado ao longo do texto será “Invisibilidade e registro civil: garantia de acesso à cidadania no Brasil”. Além disso, foi feita uma breve indicação do ponto de vista da aluna sobre o tema, com uma pista sobre a tese que será apresentada (o uso das palavras “invisibilidade” e “negligenciado”, por exemplo).

b) Desenvolvimento

Formado pelos segundo e terceiro parágrafos da redação, o desenvolvimento atendeu o objetivo central, que é apresentar as ideias, acompanhadas de seus fundamentos, de forma a demonstrar a relevância da tese apresentada. Para isso, a aluna trouxe duas referências: uma de uma antropóloga e outra de um historiador, que suportam a sua percepção no sentido de que este tema precisa ser tratado pelo Estado, por meio de uma política pública. Por meio dessa construção, a autora do texto reforça e estrutura a ideia de que a ausência de registro civil é um instrumento de ampliação de desigualdades.

c) Conclusão

Na conclusão, a aluna tomou o cuidado de retomar a tese, direcionando-a à solução proposta: a implementação de medidas efetivas que levem à ampliação do número de pessoas registradas. Por fim, a autora do texto apresentou propostas viáveis e completas, tomando o cuidado de trazer todas as questões centrais:
– Quem atuará para a resolução – “o Poder Executivo Federal, mais especificamente o ministério da cidadania”;
– Como atuará – “por meio da implantação de um “Projeto Nacional de Incentivo à Formalização da Documentação Pessoal”, o qual irá contar tanto com palestras nas escolas e nas redes sociais quanto com o aumento do envio de assistentes sociais para verificar a situação do registro nas residências”; e
– Com quais propósitos – “conter o impacto desse problema e aumentar a cidadania”.

4ª Etapa: Competências avaliadas: análise detalhada

Para garantir uma análise completa da redação, vamos agora analisar o texto pensando em cada uma das competências avaliadas na redação do ENEM:

• Competência 1: demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa.

Ao longo da redação, foi demonstrado o domínio da norma culta escrita. Cabe aqui, no entanto, uma observação: pequenos erros costumam ser relevados, desde que não se repitam e não afetem a compreensão do texto, não sendo levados em consideração para a correção.

• Competência 2: compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa.

O texto abordou muito bem o tema, mobilizando as áreas do conhecimento e articulando-as à discussão proposta, respeitando a estrutura do texto dissertativo-argumentativo.

Logo no início do texto, é trazida uma referência literária, com menção às personagens da obra “Vidas secas”, de Graciliano Ramos. Essas personagens são trazidas de forma contextualizada, dando uma forma mais evidente ao problema que é apresentado ao leitor do texto.

Mais à frente, ao trazer dados levantados por uma antropóloga e um historiador, a aluna solidifica a sua posição, no sentido de que o assunto não tem sido tratado de forma adequada pelo Estado, o que leva a problemas significativos e até mesmo coloca em jogo o exercício da cidadania.

• Competência 3: selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

Por meio da amarração de conceitos e informações, bem como da construção de relações de causa e consequência, a aluna traz uma boa seleção de argumentos, relacionando-os entre si.

O uso dos textos motivadores também mostra-se correta, à medida em que, sem transcrevê-los, a aluna soube extrair deles as informações relevantes para a construção do seu raciocínio.

• Competência 4: demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.

Ao longo do texto, a aluna faz um excelente uso dos recursos coesivos, o que garante uma boa fluidez. O uso de recursos como: “a partir”, “diante desse cenário, “outrossim” e “portanto” faz com que a redação fique muito bem articulada, conectando suas ideias e parágrafos.

• Competência 5: elaborar proposta de solução para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

A proposta de intervenção foi apresentada de forma bem detalhada, trazendo os agentes responsáveis, o que precisa ser feito, como fazer e a finalidade.

Além disso, a aluna tomou o cuidado de propor uma solução possível e respeitou integralmente os preceitos dos direitos humanos, cumprindo todos os requisitos avaliados pela banca.

5ª Etapa: Material complementar

Cartilha do participante – ENEM
Disponível em: Inep
Acesso em: 24 de outubro de 2022.

Roteiro de Estudos elaborado pela Professora Daniela Leite Nunes.
Coordenação Pedagógica: Professora Dr.ª Aline Bitencourt Monge

Talvez Você Também Goste

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.