A retomada das aulas presenciais e o convívio social tem mostrado as sequelas do longo período de isolamento causado pela pandemia de covid-19. Em escolas de todo o país, professores relatam indisciplina, desinteresse, perda de tato social e até mesmo casos de violência entre os estudantes. Os profissionais também observam que o uso indiscriminado de celulares e redes sociais também afeta negativamente a saúde mental de crianças e adolescentes. Os resultados mais comuns do alinhamento desses fatores são estresse, ansiedade, síndrome do pânico e depressão. Para lidar com esses problemas, uma escola de São Paulo achou uma atividade pouco usada na escola: a yoga.

Na escola municipal Professora Áurea Ribeiro Xavier Lopes, na Zona Leste de São Paulo, um projeto busca contribuir com o equilíbrio emocional dos estudantes, com aulas de yoga ministradas duas vezes por semana. A iniciativa partiu da professora de língua inglesa Cássia Rinaldi, que também é instrutora da técnica. “Essa prática milenar é, na verdade, focada para meditação”, explica Rinaldi.

Menos estresse, mais foco

Segundo ela, é por essa razão que a prática da yoga acaba colaborando com a aprendizagem. A professora aponta que os benefícios das atividades são um maior foco e concentração, o aumento da criatividade e a redução do estresse, ansiedade e depressão, além da formação de pessoas mais saudáveis.

Para a coordenadora pedagógica da escola, Fernanda André, professores e a própria família devem ficar atentos aos sinais que crianças e adolescentes demonstram e procurar ajuda profissional. “Quando os estudantes vêm para nós, da equipe gestora, com as questões de violência em sala de aula, a gente [deve] acolher, ouvir e buscar a rede de apoio, seja [Unidade Básica de Saúde] UBS, [Centro de Atenção Psicossocial] CAPS, os parceiros que a escola tem”, orienta.

Neste vídeo, o Instituto Claro foi visitar a EMEF Professora Áurea Ribeiro Xavier Lopes para acompanhar uma manhã do projeto ‘Yogue-se’ e ouvir dos próprios estudantes os resultados alcançados com o projeto.

Confira o vídeo com audiodescrição:

Veja mais:

Escola pública de São Paulo cria ações para combater pobreza menstrual

Como começar um podcast na escola?

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Cozinha experimental na escola: atividade constrói conhecimento multidisciplinar

Como a escola pode auxiliar na transição da educação infantil para o ensino fundamental?

Tópicos essenciais: o que um plano de aula deve conter?

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.