O suíço Johann Heinrich Pestalozzi (1746-1827) foi fortemente influenciado pelas ideias do francês Jean-Jacques Rousseau (1712-1778). A partir dessa influência e de sua experiência prática em instituições de ensino de seu país, ele criou um modelo educacional que levava em conta não apenas o aspecto cognitivo, mas também o desenvolvimento físico e emocional dos estudantes.

Na obra de Pestalozzi, destaca-se o conceito de afetividade. O pensador acreditava que a relação entre educadores e estudantes era um fator determinante para o sucesso da educação, afirma a pesquisadora, e doutora em educação pela Universidade de São Paulo (USP), Dora Incontri. Apesar de relativamente desconhecido no Brasil – há poucos textos seus traduzidos para o português –, as ideias do pensador podem ser identificadas em práticas escolares até hoje, como as aulas-passeio, que são conhecidas também pelas denominações trabalho de campo ou excursão.

Nesta entrevista, que faz parte da segunda temporada da série Pensadores na Educação, a especialista apresenta aspectos da vida e obra do autor, elucida alguns de seus principais conceitos e indica leituras para conhecê-lo melhor.

Acesse abaixo os outros episódios da série:

John Dewey e a educação para a democracia
Freinet e o ensino com base nos interesses do aluno
Anísio Teixeira e a construção do projeto de ensino público no Brasil
Skinner e o uso educacional da análise do comportamento

Veja também a primeira temporada dos Pensadores na Educação

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Como levar conceitos da geopolítica para os alunos do ensino médio?

Lei que prevê psicólogos na escola pode sobrecarregar a instituição, avalia pesquisador

Para melhorar a convivência escolar, professores têm formação em Sumaré

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.