Salluit é uma pequena vila de índios esquimós localizada no ártico canadense onde a temperatura pode atingir até 25º C negativos. Quando começou a lecionar na região, há seis anos, a educadora Maggie MacDonnell se deparou com uma comunidade marcada por altos índices de evasão escolar, jovens usuários de drogas e uma onda de suicídios que atingia em cheio a população com menos de 25 anos. Nesse contexto tão desafiador, como atrair novamente os estudantes para a escola? Maggie encontrou a solução ao desenvolver um programa de oficinas que contemplavam os interesses de seus alunos, que passava de marcenaria à gastronomia. Além disso, ela ajudou na construção de um centro de esportes e de um grupo de prevenção ao suicídio. Por esses trabalhos, ela foi contemplada com o Global Teacher Prize – o “Prêmio Nobel” da educação.
Confira, a seguir, entrevista exclusiva com a educadora.
Quais foram os principais desafios que você enfrentou?

Maggie MacDonnell – Os estudantes carregam traumas intergeracionais. Eles, seus pais, avós e bisavós foram afetados por eventos traumáticos como migração forçada, as chamadas escolas residenciais (que afastou crianças esquimós das suas aldeias para que fossem inseridas na “cultura canadense”) e surtos de tuberculose. A crise da habitação é uma das mais graves do mundo e, devido ao clima, as pessoas raramente podem viver ao ar livre. A insegurança alimentar afeta mais de 50% da população porque os alimentos são caros, devido aos custos de transporte. Por fim, havia a questão das drogas entre os alunos e uma onda de suicídios.

Como o suicídio afetava os professores? 

Maggie MacDonnell – Além de perder o aluno para o suicídio, o professor fica preocupado que seus amigos e familiares também estejam em risco. Isso requer uma tremenda energia emocional. Para se ter uma ideia, a minha comunidade de apenas 1.400 habitantes enterrou dez jovens que se suicidaram em apenas dois anos.

Por que é importante para o professor entender a comunidade na qual ele vai atuar?

Maggie MacDonnell – A fim de tornar suas lições, currículo e projetos relevantes para as realidades locais, você precisa entender a comunidade. Eu, pessoalmente, assumo uma abordagem de desenvolvimento comunitário para a educação, na qual desejo que meus alunos se vejam como soluções para os desafios de sua comunidade.

Como o professor pode expandir seu olhar para as necessidades da comunidade?
Maggie MacDonnell – Para alguém que vem de fora, é um processo constante onde você continua a observar, a travar diálogos com diversos grupos dentro da comunidade, pesquisar, aprender com outros exemplos, refletir sobre sua posição e privilégios, estabelecer conexões e construir relacionamentos para melhorar sua compreensão da área. Na verdade, não há linha de chegada: o professor permanece constantemente um aprendiz.

Por que criar um centro de musculação, equipes de corrida e times com os estudantes?

Maggie MacDonnell – A atividade física é uma ferramenta para a construção de resiliência. Os jovens na aldeia de Salluit estão cercados por estratégias de enfrentamento do estresse nada saudáveis, como fumar e usar drogas. Mas quando investimos em oportunidades recreativas saudáveis, eles aproveitaram a oportunidade. Em segundo lugar, os jovens necessitam de relações e conexões com companheiros de equipe, amigos, treinadores e mentores. Assim, numa crise, eles têm uma rede de apoio a recorrer.

E a opção pelas oficinas profissionalizantes?

Maggie MacDonnell – Precisamos evocar a esperança. Quando eles estavam tendo um dia ruim, eles tinham outro objetivo para se concentrar, ou apenas sabiam que havia um amanhã esperançoso. Eles se mantinham perseverantes e desenvolvendo mais resiliência para assumir os desafios ao seu redor.

Por que é importante que os jovens estudem o que gostam?

Maggie MacDonnell – Inicialmente, o professor deve começar onde os jovens estão e em seus interesses. Uma vez que um relacionamento é estabelecido, eles vão confiar em você o suficiente para segui-lo em novos temas, conteúdos e ideias.

O que você pretende fazer depois do Prêmio? Quais são seus planos?

Maggie MacDonnell – Eu espero começar uma organização sem fins lucrativos. Ela criará plataformas para que os jovens Inuit se reconectem com sua cultura, estabeleçam estilos de vida saudáveis e cuidem do seu ambiente. Quero que esse projeto permita aos jovens inuits e ao mundo vê-los como cidadãos locais e globais.

Veja mais:
O que você pode aprender com a melhor professora do mundo
Dia Mundial da Água: Ameaça a recursos hídricos motiva projetos pedagógicos

Deixe um comentário

Por favor, faça Login para comentar

Talvez Você Também Goste

Notícias

21 escritores de língua portuguesa para apresentar aos alunos

Reportagens sugerem atividades e livros para trabalhar autores em diferentes disciplinas

há 2 dias
Notícias

4 livros para entender a prática da leitura digital

Obras enfocam mudanças cognitivas e como tecnologia pode ser aliada do hábito de ler

há 5 dias
Notícias

7 planos de aula para debater o racismo e conhecer pensadores negros

Materiais de filosofia e sociologia vão do Egito Antigo às filósofas negras contemporâneas

há 3 semanas
Notícias

6 links para inspirar práticas de educação musical na escola

Vídeos e publicações gratuitas sugerem formas de trabalhar o conteúdo no ensino fundamental e médio

há 4 semanas

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.