Pesquisar é uma atividade corriqueira, que realizamos dentro e fora da escola. Com a presença da internet, a prática tornou-se quase sinônimo da realização de consultas em motores de busca, mas pesquisar vai muito além de “dar um Google”.

“A internet não é fonte. Ela é um meio para eu chegar à fonte. Não devemos nunca confiar em uma única fonte”, afirma o coordenador do curso de pedagogia da Universidade Presbiteriana Mackenzie Italo Francisco Crucio.

Nesta entrevista, o pesquisador fala sobre os tipos de pesquisa existentes, explica seus objetivos, comenta sobre o trabalho em diferentes etapas de ensino e fala sobre os cuidados necessários para não reproduzir informações falsas que circulam na internet.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Contação de histórias ajuda a ensinar cultura africana na escola

Como implementar a lei do ensino de história e cultura afro-brasileira e indígena nas escolas?

Qual o papel da escola no combate à violência contra crianças?

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.