O desenvolvimento de habilidades de leitura e escrita ainda é um dos desafios da educação básica no Brasil. Isso chamou a atenção de forma contundente do professor Wagner Garcia Siqueira no final de 2003. Naquele momento, alguns alunos que realizaram a prova do Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (Saresp) disseram que não sabiam como fazer uma redação.

“Foi marcante para mim, porque o aluno sinalizou que ele se formou sem saber escrever”, lembra. Então, o docente percebeu que precisava mudar sua forma de lecionar. Nasceu assim o projeto “Penso, Logo Escrevo”, que se baseia em oficinas semanais de produção de texto.

Durante o processo, além de chamar a atenção para aspectos importantes da produção textual, o projeto fomenta a postura ativa dos alunos, que escolhem os temas sobre os quais querem escrever e devem apresentar para discussão com toda a turma.

Em 15 anos de existência, o projeto já passou por três escolas da região de Itaquera, zona leste de São Paulo, área de atuação do professor Wagner. Atualmente, sua metodologia serve como inspiração para formações da Diretoria de Ensino, Região Leste 3, que atende as escolas da localidade.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Jovens oferecem reforço escolar gratuito para estudantes da rede pública

Esperançar em Paulo Freire: pesquisador comenta a obra Pedagogia da Esperança

Pensadores na Educação: Alexei Leontiev e o desenvolvimento da psique humana

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.