“Tivemos que aprender tudo o que os nossos colegas estavam aprendendo em sala de aula e ainda levar conteúdo novo para apresentar na escola”, conta Marina Helena Klink, 16 anos, filha de Amyr Klink. A jovem e as irmãs gêmeas, Tamara e Laura Klink, já viajaram sete vezes à Antártica, expedições que duraram até três meses. Para não perderem o conteúdo escolar, tiveram que levar os livros e tarefas na bagagem.

Além de propor o estudo do meio, a fotógrafa e mãe das meninas, Marina Bandeira Klinik, entregou um diário para cada uma delas e pediu que registrassem toda a viagem. O material se transformou em livro. “É importante que as escolas se proponham a sair da grade, abrir exceções que permitam que os alunos se desenvolvam de uma forma melhor”, reflete Laura Klink.

Assista outros programas do NET Educação:
‘Minha paixão pelo mar nasceu com a leitura’, afirma Amyr Klink
Escola em São Paulo utiliza o YouTube como ferramenta pedagógica
YouTube: como realizar produções de vídeo em sala de aula?
Mapa conceitual: aprenda a usá-lo em sala de aula para dinamizar o ensino
Alunos trabalham com novas tecnologias da comunicação em projeto
Imprensa Jovem utiliza jornalismo como ferramenta para reforço escolar

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Como levar conceitos da geopolítica para os alunos do ensino médio?

Lei que prevê psicólogos na escola pode sobrecarregar a instituição, avalia pesquisador

Para melhorar a convivência escolar, professores têm formação em Sumaré

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.