“Hoje, nós temos uma questão muito importante na escola: é o que chamo de abandono afetivo, na forma que a escola organiza a aula. E os videogames trabalham a captura do imaginário de uma forma altamente engajante”, afirma o professor de psicologia da Universidade Federal do Pernambuco (UFPE) Luciano Meira.

Na entrevista, o pesquisador explica como a educação pensada a partir da gamificação pode ser um processo divertido, dialógico e responsivo, tanto para os alunos quanto para os professores, e traz exemplos práticos de sua aplicabilidade. Também, aponta quatro elementos que a escola precisa para começar a trabalhar com jogos na aprendizagem.

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Como levar conceitos da geopolítica para os alunos do ensino médio?

Lei que prevê psicólogos na escola pode sobrecarregar a instituição, avalia pesquisador

Para melhorar a convivência escolar, professores têm formação em Sumaré

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.