Portões de aço, pouca iluminação, grades, trancas, cadeados e muros altos. Muitas vezes os prédios de escolas públicas se assemelham às prisões. Para a arquiteta e pesquisadora do Grupo Ambiente e Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Ana Beatriz Goulart de Faria, esse padrão da arquitetura escolar no Brasil indica uma falta de diálogo entre a arquitetura e a pedagogia. “Você percebe que a gente ainda não chegou a uma lista mínima de ambientes necessários para uma boa educação”, avalia.

Para haver uma educação transformadora, a arquiteta defende o diálogo com o território, com o clima, com a topografia e com a história daquele entorno. “É muito importante ter um repertório que respeite as diferenças culturais e ambientais das regiões. As universidades públicas podem ajudar a gente a ter comitês que discutam essas questões”, opina.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

Contação de histórias ajuda a ensinar cultura africana na escola

Como implementar a lei do ensino de história e cultura afro-brasileira e indígena nas escolas?

Qual o papel da escola no combate à violência contra crianças?

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.