Desde o final de 2015, quando as mobilizações de estudantes contra a política de reorganização escolar adotada pelo Governo do Estado de São Paulo eclodiram, temas como o racismo, a homofobia e questões de gênero parecem ter chegado nas escolas para ficar. Atentos a esses movimentos, os professores da EE Professor Evandro Caiafa Esquivel, em Diadema, na região metropolitana de São Paulo, passaram a abordar o machismo e os direitos das mulheres.

Os professores buscaram articular a temática com os conteúdos das diferentes disciplinas. Nasceram, assim, projetos que questionam o machismo nas letras de funk e nas práticas esportivas, jograis, poemas e peças de teatro que valorizam a história de mulheres que combateram discriminação e a violência de gênero. De acordo com educadores e alunos, isso ajudou meninos e meninas a reconhecerem e se posicionarem diante de situações opressivas para a mulher e a ter um olhar crítico em relação a representação que é feita do gênero feminino em diferentes meios.

Deixe um comentário

Please Login to comment

Talvez Você Também Goste

Como levar conceitos da geopolítica para os alunos do ensino médio?

Lei que prevê psicólogos na escola pode sobrecarregar a instituição, avalia pesquisador

Para melhorar a convivência escolar, professores têm formação em Sumaré

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.