Todos os anos, o NMC (New Media Consortium) e a Educause, duas instituições norte-americanas dedicadas à pesquisa no uso de Tecnologias da Informação no Ensino Superior, produzem colaborativamente o relatório Horizon Report. Para João Mattar, que se dedica à pesquisa na área de Tecnologias Aplicadas à Educação, trata-se de leitura essencial para qualquer educador.

 

 

“Quando sai um novo relatório, paro tudo o que estou fazendo para devorá-lo”, diz. Mattar explica que os relatórios procuram identificar e descrever tecnologias emergentes que terão impacto no ensino, na aprendizagem, na pesquisa ou na expressão criativa em organizações focadas no aprendizado, vislumbrando os horizontes de 1 a 5 anos subseqüentes ao ano de publicação.

 

“No Horizon Report 2009, vemos que no horizonte de 1 ano, são mencionados dispositivos móveis e computação em nuvem; de 2 a 3 anos, geo-tudo e web pessoal; de 4 a 5, aplicações com consciência semântica e smart objects”, conta João Mattar, que também é autor de um blog sobre Tecnologias Aplicadas à Educação. Além disso, ele desenvolve material didático para educação a distância e é autor de livros como “Metodologia Científica na Era da Informática” (Saraiva), “ABC da EAD” (Pearson) e “Second Life e Web 2.0 na Educação” (Novatec).

 

 

No seu blog, Mattar escreveu uma resenha sobre o Horizon Report 2008 e 2009. De acordo com a resenha, o último Horizon Report aponta, como tendências essenciais que devem afetar a aprendizagem nos próximos anos, a influência crescente da globalização; a noção de inteligência coletiva; experiências com games como ferramentas de aprendizagem; a necessidade de alfabetização visual; e inovações no campo da mobilidade.

 

São também apontados desafios críticos para as organizações de aprendizagem: necessidade crescente de instrução formal em novas habilidades essenciais, incluindo alfabetização em informação, alfabetização visual e alfabetização tecnológica; adequação de métodos de avaliação, de ensino, ferramentas e materiais ao aluno de hoje; necessidade de inovação e liderança em todos os níveis da academia; avaliação formal do que nossos alunos estão aprendendo; correspondência com a expectativa de uso de dispositivos móveis e oferecimento de serviços, conteúdo e mídia através deles.

 

Outro ponto interessante é que a apresentação de praticamente cada tema é permeada de diversas sugestões de leituras e exemplos de aplicações educacionais.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Talvez Você Também Goste

13 dicas para criar uma peça de teatro com os alunos

Professores recomendam trabalhar com jogos, improvisações, literatura e música no processo criativo

Como ensinar ginástica na educação física escolar?

Professoras indicam 8 possibilidades para desenvolver com alunos do ensino fundamental

11 formas de acolher o aluno com síndrome de Tourette

Ambiente inclusivo evita que estudantes sofram com bullying e dificuldades de aprendizagem

Receba NossasNovidades

Receba NossasNovidades

Assine gratuitamente a nossa newsletter e receba todas as novidades sobre os projetos e ações do Instituto Claro.